Bruxelas autoriza distribuição da vacina da Pfizer. “Esta é uma verdadeira história de sucesso”, enaltece von der Leyen

Agora com o parecer positivo da Comissão Europeia, a farmacêutica fica autorizada a distribuir a vacina contra a Covid-19 pelos 27 Estados-membros. Portugal deverá receber as primeiras doses a 26 de dezembro.

Olivier Hoslet / EPA

A presidente da Comissão Europeia (CE) aprovou formalmente, esta segunda-feira, a distribuição da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer-BioNTech, dando, assim, autorização à farmacêutica para proceder à distribuição da vacina pela União Europeia.

Durante um breve discurso, na sede da CE, em Bruxelas, Ursula von der Leyen afirmou que a vacina aprovada “provou ser segura e eficaz”, acrescentando que a Agência Europeia do Medicamento (EMA) “vai anunciar um parecer sobre a segunda vacina desenvolvida pela Moderna no dia 6 de janeiro”.

“Permitam-me dizer quão orgulhosa estou por a primeira vacina contra a Covid-19 disponível na Europa ser um verdadeiro produto da inovação europeia”, afirmou. “Este é um passo significativo no combate a esta pandemia que tem causado sofrimento a muitas pessoas, não só na Europa, mas no mundo inteiro”.

A responsável adiantou que o mesmo foi possível graças à atribuição de um fundo de mais de nove mil milhões de euros usados para a investigação e desenvolvimento do fármaco que provou ser 95% eficaz. “Esta é uma verdadeira história de sucesso europeia”, disse.

Esta aprovação surge momentos depois da EMA ter emitido um veredito positivo sobre a primeira vacina da Covid-19 após uma reunião antecipada do comité de peritos.

Agora também aprovada pelo executivo em Bruxelas, a Pfizer tem agora ‘luz verde’ para começar a distribuição pelos 27 Estados-membros nos próximos dias de forma a que o processo de vacinação arranque, em simultâneo, a 27 , 28 e 29 de dezembro, como já tinha sido anunciado pelo ministra da Saúde, Marta Temido, e a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen.

A Portugal devem chegar 9.750 unidades da vacina desta farmacêutica no dia 26 de dezembro, o que deixará tudo pronto para que os profissionais de saúde dos centros hospitalares de São João, Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central sejam os primeiros a receber o fármaco no dia 27 de dezembro.

O plano de vacinação para Portugal prevê que, a 4 de janeiro, cheguem cerca de 303 mil doses, em fevereiro, 429 mil doses e 487,500 doses em março.

Relacionadas

Infarmed considera aprovação da vacina “um passo decisivo” no combate à pandemia

O regulador português congratulou o parecer positivo da Agência Europeia do Medicamento, considerando ser “um passo decisivo” no combate à pandemia

Centros hospitalares do Porto, Coimbra, e Lisboa começam a vacinar primeiro. Primeiras doses chegam a 26 de dezembro

Os profissionais de saúde de cinco centro hospitalares do Porto, Coimbra e Lisboa vão receber as primeiras doses da vacina da Pfizer-BioNTech contra a Covid-19. Segundo a ministra da Saúde, Portugal deverá receber as primeiras unidades a 26 de dezembro.

Vacina da Pfizer-BioNTech aprovada pelo regulador europeu. Vacinação arranca a 27 de dezembro

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) emitiu um veredicto positivo sobre a primeira vacina da Covid-19 após uma reunião antecipada do comité de peritos. Primeiras doses chegam a Portugal a 26 de dezembro.
Recomendadas

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários