Bruxelas convida Trump para cimeira

Mensagem assinada por Donald Tusk e por Jean-Claude Juncker fala na “consolidação de pontes sobre o Atlântico”.

Alessandro Bianchi/Reuters

Além das felicitações enviadas através da rede social Twitter, o líder da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, assina com Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, uma carta de saudação a Trump que termina com um convite para cimeira entre europeus e norte-americanos “tão depressa quanto lhe seja possível” para “definir o curso do relacionamento nos próximos quatro anos”.

Na missiva pode ler-se: “A parceira estratégica entre a União Europeia e os Estados Unidos tem raízes em valores partilhados como liberdade, direitos humanos, democracia e a crença numa economia de mercado. Ao longo dos anos, os dois lados trabalharam em conjunto para manter a paz e a prosperidade dos nossos cidadãos e à escala mundial.”

Além disso, a carta sublinha: “Hoje é mais importante do que nunca fortalecer as relações transatlânticas. Só a cooperação próxima pode permitir que a União Europeia e os Estados Unidos estabeleçam a diferença na abordagem a desafios tão exigentes como o Daesh, as ameaças à soberania da Ucrânia, integridade territorial, alterações climáticas e migração.”

Mais: “Felizmente, a parceria estratégica União Europeia-Estados Unidos é ampla e profunda, quer através dos nossos esforços conjuntos no reforço da segurança energética e na forma de encarar as alterações climáticas; quer na colaboração face às ameaças à Europa de Leste e do Sul; quer ainda através das negociações no que diz respeito ao setor do comércio. Não devemos poupar esforços para garantir que os laços de união entre nós continuam fortes e duráveis.”

Antes de terminar surge a manifestação de vontade no sentido de que haja reforço da colaboração. “Devemos consolidar as pontes que temos construído sobre o Atlântico. Os europeus confiam que a América, cujos ideais democráticos sempre foram um farol de esperança à escala mundial, continuará a investir nas suas parcerias com países amigos e aliados, contribuindo desse modo para que os nossos cidadãos e a população de todo o mundo tenham mais segurança e prosperidade.”

Recomendadas

Democratas dizem que ‘impeachment’ de Trump serve para garantir que “nenhum futuro presidente” volte a apelar à violência

Recorrendo a relatos policiais, de funcionários do Capitólio e a notícias de imprensa estrangeira, os democratas alegaam que Donald Trump foi o responsável pela invasão do Capitólio, tendo provocado danos políticos e sociais de longo prazo.

Trump deseja “sucesso” e “sorte” à administração de Biden no discurso de despedida da Casa Branca

Na hora da despedida, Donald Trump limitou-se a desejar que a nova administração seja bem-sucedida, embora não tenha mencionado uma única vez o nome do sucessor, Joe Biden. O 46.º presidente dos EUA toma posse esta quarta-feira.

EUA. Um muro, o país dividido e potencial terrorismo na capital

Grades metálicas, contraplacados de madeira, uniformes, veículos militares e armas nas mãos da Guarda Nacional multiplicam-se em Washington, que se protege contra potenciais ações terroristas na posse de Joe Biden como presidente dos EUA, na próxima quarta-feira.
Comentários