Bruxelas dá dois meses a Lisboa para esclarecer lei de contratos públicos

A Comissão Europeia deu um prazo de dois meses para Portugal dar conta da conformidade da sua legislação nacional com as regras da União Europeia em matéria de contratos públicos e concessões.

A Comissão Europeia deu esta quinta-feira um prazo de dois meses para Portugal dar conta da conformidade da sua legislação nacional com as regras da União Europeia (UE) em matéria de contratos públicos e concessões.

Com o envio de uma carta de notificação adicional — a primeira foi remetida em 10 de outubro de 2019 –, o executivo comunitário solicita mais esclarecimentos sobre a legislação nacional, alterada em maio, nomeadamente sobre “o recuso à adjudicação direta de contratos, aos procedimentos acelerados, às preferências locais e regionais e à modificação dos contratos”, segundo um comunicado.

No quadro do pacote mensal de processos de infração hoje divulgado, o executivo comunitário dá dois meses a Portugal para esclarecer as dúvidas, sob pena de a Comissão Europeia avançar para a segunda fase do processo de infração, com o envio de um parecer fundamentado.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Eutanásia: Chega diz que proposta de referendo do PSD “é inconstitucional”

O Chega defendeu hoje que a proposta do PSD de referendo à despenalização da eutanásia “é inconstitucional” e propôs um acordo com PS, PSD e Iniciativa Liberal para que a consulta se realize a partir do final do próximo ano.

Suspeitas de corrupção envolvendo altos quadros do Ministério da Defesa: cinco detidos e 19 arguidos (com áudio)

Em causa estão suspeitas de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, participação económica em negócio, abuso de poder e branqueamento – crimes relacionados com adjudicações da Administração Central a diversas empresas que terão lesado o Estado “em muitos milhares de euros”. Três altos quadros da Defesa estão entre os detidos.
Comentários