Bruxelas dá luz verde a plano de reestruturação da TAP mas impõe remédios

A Comissão Europeia informou hoje que aprovou o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, impondo que a companhia aérea disponibilize até 18 ‘slots’ por dia no aeroporto de Lisboa.

A Comissão Europeia informou hoje que aprovou o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, impondo que a companhia aérea disponibilize até 18 ‘slots’ (espaços de descolagem e aterragem) por dia no aeroporto de Lisboa.

“Hoje, na sequência da sua investigação aprofundada e dos comentários das partes interessadas e de Portugal a Comissão aprovou o plano de reestruturação proposto”, indica o executivo comunitário em comunicado, especificando que “o plano de apoio assumirá a forma de 2,55 mil milhões de euros de capital próprio ou de medidas de quase-capital, incluindo a conversão do empréstimo de emergência de 1,2 mil milhões de euros em capital próprio”.

A vice-presidente executiva da Comissão Europeia com a pasta da Concorrência, Margrethe Vestager, assinala que “o apoio público significativo virá com salvaguardas para limitar as distorções da concorrência”, já que a TAP “se comprometeu a disponibilizar ‘slots’ no congestionado aeroporto de Lisboa, onde detém poder de mercado significativo”.

Os remédios exigidos por Bruxelas à TAP em troco de uma ajuda de Estado de 2,55 mil milhões de euros vão muito além da cedência de 18 slots por dia. E um deles afeta, e muito, a Groundforce – companhia de handling da qual a TAP detém 49% e sobre a qual ainda se mantém um litígio com Alfredo Casimiro, o maior acionista.

Isto porque a Comissão Europeia diz que o plano agora aprovado “implica uma divisão das áreas de negócio” da TAP SGPS em duas vertentes: por um lado as companhias aéreas TAP Air Portugal e Portugalia e, por outro, “um perímetro de ativos não-core com vista ao desinvestimento ao longo da reestruturação”. Ou seja, são áreas não core para vender.

E quais são estas? “Subsidiárias em negócios adjacentes como a manutenção (no Brasil), o catering e o handling”, neste último caso a Groundforce. Recorde-se que a Groundforce, o nome comercial da Sociedade Portuguesa de Handling (SPdH), está em situação de insolvência após um pedido apresentado nesse sentido pela própria TAP.

A TAP e Alfredo Casimiro, o ainda maior acionista da Groundforce (apesar de a sua participação estar em condições de ser executada, pelo Banco Montepio), têm estado em litígio desde há quase um ano. O empresário tentou vender, sem sucesso, a sua participação e ainda existem três entidades – entre as quais a Aviapartners e a Swisspor – interessadas em ficar com a empresa. Neste processo está ainda envolvido o Bison Bank, que foi mandatado pelo Montepio para agilizar a venda.

Tal como aconteceu noutras companhias aéreas que receberam ajudas do Estado (incluindo a Lufthansa, por exemplo), a TAP SGPS e a TAP Air Portugal “vão ficar impedidas de fazer aquisições” de outras empresas. Também vão “reduzir a frota até ao final do plano de reestruturação, vão emagrecer a sua rede e ajustar [a sua operação] para as mais recentes previsões que estimam que a procura não vai melhorar até 2023 devido à pandemia”.

Relacionadas

TAP: Comissão Europeia aprova 107,1 milhões para compensar efeitos da pandemia

Este auxílio estatal visa compensar a companhia aérea pelos danos sofridos entre 1 de julho de 2020 e 30 de dezembro de 2020 como resultado direto das restrições de viagens impostas para tentar limitar a propagação da Covid-19.
Recomendadas

A Mobilidade elétrica acelera a descarbonização das empresas

Na sua definição mais simples, descarbonizar significa “tirar carbono a”. E no caso da energia, significa que cada vez mais, queremos trocar as energias fósseis, que emitem gases de efeito estufa, por mais energias verdes, renováveis.

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Alliance Healthcare tem um novo CEO

Paulo Clímaco Lilaia é o novo CEO da Alliance Healthcare, anunciou a empresa que  armazena e distribui produtos farmacêuticos, em comunicado.
Comentários