Bruxelas espera que CGD “siga em frente” após recapitalização

A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, disse hoje estar em contacto com o Governo e a acompanhar as evoluções na Caixa Geral de Depósitos (CGD), esperando que o banco “siga em frente” após a recapitalização.

“Estamos em contacto normal com o Governo português para que este e a nova administração da CGD digam como o caso vai seguir”, disse Vestager, em conferência de imprensa.

“Esperamos que, depois da injeção de capital, o banco possa seguir em frente”, acrescentou a comissária.

Já na segunda-feira, o ministro das Finanças, Mário Centeno, tinha referido não haver qualquer razão para se questionar o acordo com a Comissão Europeia sobre a recapitalização da CGD, até porque o novo presidente executivo, Paulo Macedo, “cumpre os requisitos”.

Mário Centeno garantiu que o processo de recapitalização deverá prosseguir como previsto.

Paulo Macedo, antigo ministro da Saúde do governo PSD/CDS de Pedro Passos Coelho, sucede a António Domingues, que no passado dia 27 de novembro apresentou a demissão ao cargo de presidente do Conselho de Administração da Caixa, num modelo em que havia um único presidente.

Esta renúncia surgiu após cinco semanas de polémica em torno da recusa de António Domingues relativamente à entrega da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional à qual se juntou em seguida uma nova dúvida relacionada com a eventualidade de Domingues estar na posse de informação privilegiada sobre a Caixa quando participou, como convidado, em três reuniões com a Comissão Europeia para debater a recapitalização do banco, enquanto ainda era quadro do BPI.

Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários