Bruxelas propõe embargo ao petróleo russo, mas 27 países da UE ainda têm de aprovar proposta (com áudio)

A Comissão Europeia propôs hoje o embargo, mas a proposta tem de ser aceite por todos os 27 estados-membros. Barril de petróleo sobe mais de 2,5% nos mercados internacionais.

A Comissão Europeia anunciou hoje que os estados-membros vão impor um embargo ao petróleo russo e aos produtos refinados.

“Vamos descomissionar o fornecimento de petróleo no espaço de seis meses e de produtos refinados até ao fim do ano”, disse Ursula Von der Leyen hoje no Parlamento Europeu.

“Isto significa um embargo completo às importações de petróleo russo, transportado por mar e oleoduto, crude e refinado”, afirmou perante os eurodeputados em Estrasburgo.

“Não vai ser fácil. Alguns estados-membros são fortemente dependentes do petróleo russo, mas temos simplesmente de trabalhar nisto”, disse Von der Leyen sobre a proposta.

No entanto, ainda requer aprovação dos 27 estados-membros para o embargo ser aprovado.

O preço do petróleo nos mercados internacionais está a valorizar: o barril de Brent sobe 2,51% para 107,60 dólares, com o WTI a subir 2,65% para mais de 105 dólares.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários