Bruxelas vai obrigar Google e Facebook a monitorizar notícias falsas

Jean-Claude Juncker afirma que empresas como Google e Facebook têm de combater informação falsa disseminada na Internet.

Vincent Kessler/Reuters

O Presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker quer que empresas como a Google e a Facebook combatam vigorosamente a propagação de notícias falsas na Internet. Para travar o problema, a comissão vai começar a monitorizar a forma como empresas do setor implementam os seus próprios compromissos para criarem padrões de verificação.

Jean-Claude Juncker defende que empresas de Internet devem desenvolver uma certa “ambição” no que diz as respeito a padrões de qualidade. O presidente da Comissão Europeia afirmou que a credibilidade é a mais importante mais-valia destes negócios, numa entrevista ao alemão Funke Mediengruppe. “Liberdade também significa responsabilidade”, acrescentou.

Relacionadas

Bruxelas ameaça Facebook com multa até 1% da faturação

Comissão Europeia acusa o Facebook de fornecer informação incorreta no processo de autorização de compra do Whatsapp. Empresa de Mark Zuckerberg arrisca-se a uma multa de até 1% da sua faturação.

Prepare-se: Internet vai fechar 24 horas em 2017

A world wide web ficará encerrada durante 24 horas em 2017 devido a um ataque de larga escala.
Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários