Cabana de Ricardo Salgado cercada por marcos retirados à Herdade da Comporta

A empresa Herdade da Comporta pôs marcos a circunscrever o que acredita fazer parte da sua propriedade e que compreende um areal com quase dez quilómetros em Domínio Público Marítimo. A população pôs alguns junto ao local de descanso da família Espírito Santo.

“Contra os que pretendem só para si uma praia que é de todos”. É como define ao Público um dos populares que assistiu à revolta na Praia da Comporta. De acordo com o jornal, a população arrancou sete marcos do local onde tinham sido postos inicialmente, entre o Pego e a Comporta, e puseram-nos na areia, à volta da cabana onde Ricardo Salgado, a sua família e amigos descansavam.

A Herdade da Comporta era o retiro da família Espírito Santo e foi posta à venda assim que o grupo abriu falência. O espaço tem 12.500 hectares e, no passado mês de julho, o empresário Pedro Almeida comprou mais de metade (59%) do fundo de investimento da Herdade da Comporta. Os protestantes consideram que a empresa se está a apropriar de um espaço que vêem como público e quiseram ‘prejudicar’ o autor moral da apropriação.

Recentemente, a empresa Herdade da Comporta pôs marcos a circunscrever o que acredita fazer parte da sua propriedade e que compreende um areal com quase dez quilómetros em Domínio Público Marítimo – a faixa em terra da zona costeira que é propriedade inalienável do Estado e que os privados só podem dispor do direito de utilização ou exploração dessa área, e nunca da sua propriedade.

Segundo o mesmo matutino, os responsáveis da Câmara de Grândola sempre revelaram contemporização em relação às ações da Herdade da Comporta, do Grupo Espírito Santo e detida pela holding Rioforte, mas não assumiram uma posição pública sobre a colocação dos marcos pela empresa.

Recomendadas
médicos

1,4 milhões de portugueses não têm médico de família

Este valor corresponde sensivelmente a um sétimo do total de pessoas inscritas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), segundo o jornal “Público”.

Consumo de gás natural recua 5,7% em novembro

“No mercado de gás natural, a tendência de redução de consumo manteve-se este mês [novembro], com uma taxa homóloga negativa de 5,7%, com uma quebra marginal de 0,7% no segmento de produção de energia elétrica e um recuo de 9,6% no segmento convencional”, indicou a gestora dos sistemas nacionais elétrico e de gás natural.

SNS24 atendeu em novembro 194 mil chamadas e encaminhou 56 mil doentes para urgências

Apesar deste aumento de chamadas para o Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde (808 24 24 24), estes números ainda estão abaixo dos picos do período pandémico, referem os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) numa resposta enviada à Lusa.
Comentários