Cabaz de bens alimentares essenciais custa hoje mais 35 euros do que há nove meses

Desde que a guerra na Ucrânia começou, o cabaz de bens alimentares essenciais aumentou 19,31% (mais 35,44 euros), custando agora 219,07 euros fase aos 185 euros registados em fevereiro, alerta Deco Proteste. O peixe e os laticínios são as categorias com os maiores aumentos entre 23 de fevereiro e 7 de dezembro, com subidas de 22,64% e 22,10%, respetivamente.

José Coelho/Lusa

Abastecer a despensa de bens alimentares essenciais já custa mais de 219 euros às famílias portuguesas. Desde fevereiro, o preço do cabaz alimentar já aumentou mais de 35,44 euros. O alerta é da Deco Proteste que dá conta de que os aumentos se têm feito sentir em todas as categorias alimentares, e têm sido, sobretudo, o peixe, os lacticínios e a carne os que mais têm visto os seus preços subir, numa altura em que a inflação já atingiu os 9,9%, a taxa mais elevada em quase 30 anos. Comprar um quilo de pescada fresca pode agora custar mais de 11 euros, um aumento de 5 euros face ao início do ano.

Segundo esta entidade de defesa do consumidor, o peixe e os laticínios são as categorias com os maiores aumentos nos últimos nove meses com subidas de 22,64% e 22,10%, respetivamente. E dá aqui conta de que, entre 23 de fevereiro e 7 de dezembro, o preço da pescada fresca registou um aumento de 83 pontos percentuais. Um quilo de pescada fresca custa agora 11,04 euros, mais 5,01 euros do que a 23 de fevereiro, véspera do início do conflito armado com a Ucrânia.

Fazendo as contas a apenas um quilo de salmão, de pescada, de carapau, de peixe-espada-preto, de robalo, de dourada, de perca e de bacalhau, o consumidor pode agora ter de gastar, em média, 73,97 euros. A 23 de fevereiro deste ano, pagaria 60,31 euros, diz a Deco Proteste. Já para comprar uma embalagem de queijo curado fatiado, uma caixa de seis ovos de galinhas criadas ao ar livre de classe M/L, um pack de oito iogurtes de aroma, um pack de quatro iogurtes líquidos de morango, uma embalagem de manteiga com sal, uma embalagem de queijo flamengo fatiado e um litro de leite UHT meio-gordo, o gasto pode ser, em média, de 14,01 euros. Há nove meses a despesa seria de 11,48 euros.

No entanto, realça, os aumentos têm-se feito sentir em todas as categorias alimentares analisadas. No mesmo período, os preços subiram também na carne (mais 21,12%), nas mercearias (mais 17,79%), nas frutas e legumes (mais 14,72%) e nos congelados (mais 10,62%).

Os dez produtos com maiores subidas

Desde 23 de fevereiro, a Deco Proteste tem monitorizado todas as quartas-feiras, com base nos preços recolhidos no dia anterior, os preços de um cabaz de 63 produtos alimentares essenciais. Esta análise tem revelado aumentos quase todas as semanas, com alguns produtos a registarem subidas de preços de dois dígitos de uma semana para a outra.

Na última semana, entre os dias 30 de novembro e 7 de dezembro, os dez produtos com maiores subidas de preço foram: a polpa de tomate (mais 16%);os cereais  (mais 11%); o pão de forma sem côdea (mais 9%); o salmão (mais 7%); a perca (mais 7%); o esparguete (mais 7%); o sal grosso (mais 6%); o queijo flamengo fatiado (mais 5%); a maçã gala (mais 4%); e o queijo curado (mais 4%).

Aumento de preços faz disparar a taxa de inflação

Os consecutivos aumentos dos preços ao consumidor, nomeadamente em produtos como os combustíveis e a alimentação, estão a contribuir para um aumento da taxa de inflação. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de inflação chegou aos 9,9% em novembro deste ano, taxa inferior em 0,2 pontos percentuais à observada no mês anterior.

Ainda assim, o indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) terá registado uma variação de 7,2% (7,1% no mês precedente), o valor mais elevado desde dezembro de 1993.

Recomendadas

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.

Reformas antecipadas de pessoas com deficiência vão ter condições mais favoráveis

O Governo aprovou esta tarde as regras do regime mais favorável de antecipação da idade da reforma para as pessoas com deficiência. Nestes casos, não são aplicados cortes.

Jornada Mundial da Juventude. Patriarca defende equipamentos “dignos, económicos e capazes”

O cardeal-patriarca de Lisboa defendeu hoje que “é bom” tudo o que for feito para que os equipamentos da Jornada Mundial da Juventude “fiquem com dignidade e fiquem económicos e capazes” para o evento agendado para agosto em Lisboa.
Comentários