Cabo Verde Airlines inaugura voos para Washington, Lagos e Porto Alegre

O ‘hub’ aéreo da ilha do Sal dá este domingo, 8 de dezembro, um passo importante com o início das ligações entre o arquipélago e a capital dos Estados Unidos.

A Cabo Verde Airlines (CVA) inaugura este domingo, 8 de dezembro, voos para a cidade norte-americana de Washington, o que é entendido como a primeira pedra “estruturante” do ‘hub’ aéreo na ilha do Sal.

“Hoje começa de forma estruturante o ‘hub’ aéreo, porque vamos para além daquilo que tem sido o nosso mercado tradicional, que era Boston e Providence, a Costa Leste, agora vamos para Washington. E este voo marca a partida para o hub aéreo”, afirmou o ministro do Turismo e Transportes de Cabo Verde, citado pela agência de notícias Lusa. José Gonçalves falava no aeroporto internacional Amílcar Cabral no batismo do voo Sal- Washington.

Esta segunda-feira, dia 9 de dezembro, a CVA inaugura a ligação a Lagos, capital da Nigéria, para onde vai voar cinco vezes por semana. E quarta-feira arrancam as ligações entre o Sal e Porto Alegre, no Brasil, que terão a frequência de duas vezes por semana.

“Cabo Verde está muito bem posicionado. Temos as condições estabelecidas em termos de infraestruturas no país, com quatro aeroportos certificados, dois dos quais o último ponto de partida para os Estados Unidos, um quadro regulador sólido e bem reconhecido internacionalmente, e a nossa companhia que goza de certificação para viajar diretamente para os EUA”, destacou o governante, que juntamente com o embaixador dos EUA, John Jefferson Daigle, viajou integrado na comitiva dos 35 passageiros do voo inaugural para Washington. Os voos realizam-se três vezes por semana.

Já o presidente executivo da CVA, Jens Bjarnason, disse que depois de um adiamento, a transportadora mantém planos para viajar para Luanda, Angola, bem como para outros destinos da África Ocidental. Mais tarde, acrescentou que a companhia aérea também pretende viajar para Toronto, no Canadá.

O gestor destacou a “grande conexão” existente com Lisboa, mas adiantou que a CVA também está a analisar a possibilidade de operar a partir de outras cidades de Portugal, incluindo o Porto.

A TACV assegurava os voos domésticos, que foram abandonados no âmbito do processo de privatização, passando as ligações aéreas entre ilhas a serem feitas apenas pela companhia Binter, que mudou de nome para Transportes Interilhas de Cabo Verde (TICV). Agora já com o nome de Cabo Verde Airlines, a transportadora retomou os voos domésticos, entre ilhas, através de uma parceria com as portuguesas Lease-Fly e Newtour, o que lhe permite garantir a conectividade ao ‘hub’ do Sal, de onde opera grande parte dos voos internacionais.

A CVA voa atualmente para Dakar, Lisboa, Paris, Milão, Roma, Boston, Fortaleza, Recife e Salvador. Na sua frota conta com três Boeing 757-200, que deverão ser, em breve, reforçados com dois Boeing 757-200.

O Estado de Cabo Verde vendeu, em março, 51% da TACV à Lofleidir Cabo Verde, empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF e 30% por empresários islandeses com experiência na aviação. O negócio orçou 1,3 milhões de euros. Os restantes 49% do capital da antiga TACV estão a ser vendido aos trabalhadores e a emigrantes cabo-verdianos (10%) e investidores institucionais (39%), num processo de privatização que o Governo prevê concluir até final do ano.

Recomendadas

Cabo Verde quer cortar perdas de eletricidade na rede pública em 5,5 pontos em 2023

O Banco Europeu de Investimento vai financiar com 110 milhões de escudos (um milhão de euros) um programa para reduzir em 5,5 pontos percentuais as perdas de eletricidade na rede pública de distribuição em Cabo Verde em 2023, segundo o Governo.

CPLP: presidente da Guiné Equatorial à frente das contagens com 99,7% dos votos

A oposição denúncias fraude em massa e o único partido da oposição recusa reconhecer a vitória do líder octogenário, Teodoro Obiang. Há um mês, a CPLP congratulava-se com a integração do país como “Estado de pleno direito”.

Cabo Verde. Presidente assinala primeiro ano de mandato com críticas à crispação e avisos ao Governo

O Presidente da República cabo-verdiana, José Maria Neves, criticou hoje a “crispação” que permanece na política nacional, alertou que os tempos atuais “exigem consensos” e avisou que não é oposição, mas também não é “claque” do Governo.
Comentários