Cabo Verde lança projeto de gestão da Cidade Velha financiado pela UNESCO

O Instituto do Património Cultural (IPC) de Cabo Verde anunciou hoje o lançamento de um projeto para gestão da Cidade Velha, Património Mundial, no pós-pandemia de covid-19, financiado pela UNESCO em 110 mil dólares (110,5 mil euros).

Denominado “Gestão do património mundial pós-covid-19: integração de estratégias de conservação, turismo e meios de subsistência locais em sítios do património mundial”, o projeto terá a duração de três anos.

É financiado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), no valor de 110 mil dólares, através do Fundo do Património Mundial, avançou ainda o IPC, indicando que é um projeto centrado na capacitação dos habitantes, associações comunitárias locais e pequenas e médias empresas.

“Visando uma maior valorização do património cultural do sítio e tem como principais objetivos identificar e promover as principais empresas locais que contribuem para melhorar a conservação, interpretação e consciência dos valores e atributos patrimoniais da Cidade Velha”, especificou.

Também vai gerar rendimentos e meios de subsistência dentro do sítio classificado como Património Mundial e da sua zona tampão, aumentar a utilização de ferramentas digitais para documentar, conservar, interpretar e sensibilizar para os valores e atributos patrimoniais do bem.

Ainda segundo o IPC, o projeto vai proporcionar formação e desenvolvimento de capacidades para o turismo sustentável, gestão de projetos empresariais e angariação de fundos para o desenvolvimento de atividades e projetos geradores de rendimentos.

“Os primeiros passos do projeto, cujo início acontece ainda durante o mês de setembro, consistem na mobilização e sensibilização da população local, dos parceiros e intervenientes neste processo que se quer inclusivo e gerador de ‘inputs’ a vários níveis”, previu.

Desde 2009 que o centro histórico da Cidade Velha, no concelho da Ribeira Grande de Santiago, é classificado como Património Mundial pela UNESCO, sendo o principal ponto de visita turística na maior ilha do país, que recebeu mais de dois mil visitantes no quarto trimestre de 2021.

Ribeira Grande foi a primeira cidade construída pelos europeus, tornando-se na primeira capital do arquipélago, título que manteve até 1770, quando a capital do país passou a ser a Praia de Santa Maria, atual cidade da Praia.

O sítio histórico foi erigido no século XV para servir de ponto de abastecimento para o comércio de escravos entre África e América.

Recomendadas

São Tomé e Príncipe. Cleanwatts assina contrato com Governo para energia limpa acessível

A Cleanwatts conta com a parceria local da Pleno Ambiente STP para a instalação, exploração e manutenção do parque de estações solares fotovoltaicas.

São Tomé e Príncipe. MLSTP repudia reivindicação de maioria absoluta da ADI

O MLSTP/PSD, no poder em São Tomé e Príncipe, rejeitou hoje qualquer “declaração de vitória com maioria absoluta” nas legislativas de domingo, como a que fez a ADI (oposição), e pediu à população que aguarde serenamente os resultados oficiais. “Refutar qualquer tipo de manifestação ou declaração de vitória com maioria absoluta, na medida em que […]

São Tomé e Príncipe. Patrice Trovoada reivindica vitória com maioria absoluta e quer assumir Governo

“Reivindicamos a vitória nas eleições legislativas, com maioria absoluta, totalizando 30 mandatos, com 54,55% dos votos”, disse, numa declaração perante algumas dezenas de apoiantes, na sede do partido na capital são-tomense.
Comentários