Cabo Verde quer comunicação social no novo programa de cooperação com Portugal

O Governo cabo-verdiano defende que a comunicação social seja contemplada no novo Programa Estratégico de Cooperação (PEC) entre Portugal e Cabo Verde, que terá um envelope financeiro superior a 120 milhões de euros.

O Governo cabo-verdiano defende que a comunicação social seja contemplada no novo Programa Estratégico de Cooperação (PEC) entre Portugal e Cabo Verde, que terá um envelope financeiro superior a 120 milhões de euros.

“O Estado português e o Estado cabo-verdiano também assimilarem a ideia de que um dos vetores fundamentais do reforço fundamentais do reforço das relações de cooperação e de amizade entre Portugal e Cabo Verde possa ser o setor da comunicação social e que isto esteja inscrito no próximo Programa Estratégico de Cooperação entre esses países”, sugeriu o secretário de Estado-adjunto do primeiro-ministro cabo-verdiano, Lourenço Lopes.

O governante cabo-verdiano falava na cidade da Praia após assinar um protocolo de cooperação com a agência Lusa, do qual um dos vetores é a realização de estágios curriculares por parte de estudantes em final do curso de Comunicação Social em universidades cabo-verdianas na sede da agência portuguesa, em Lisboa.

Segundo Lourenço Lopes, a parceria entre o Governo de Cabo Verde, a agência Lusa e a agência cabo-verdiana de notícias, Inforpress, neste setor pode também ser um “instrumento valiosíssimo” para a afirmação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Capacitar as rádios comunitárias cabo-verdianas e aumentar as suas competências e fornecimento de conteúdos da Lusa, assim como na formação contínua de profissionais de comunicação social e participação em seminários e conferências internacionais são os outros vetores do protocolo.

Portugal e Cabo Verde iniciaram em 28 de setembro a preparação de um novo Programa Estratégico de Cooperação (PEC) 2022- 2026, que será assinado na próxima cimeira entre os dois países, que deverá acontecer ainda este ano.

A preparação para o próximo PEC iniciou-se na cidade da Praia, no âmbito de uma visita de quatro dias a Cabo Verde de uma delegação do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., chefiada pela vice-presidente Cristina Moniz.

Justiça, segurança, educação, formação, cultura, ciência e inovação, saúde e assuntos sociais, energia e ambiente, finanças públicas e setor privado foram as áreas de intervenção do atual programa, assinado em 2017.

Quanto ao novo pacote financeiro, Cristina Moniz disse que vai ser decidido a nível político e a assinatura vai ser durante a próxima cimeira entre Portugal e Cabo Verde, que deverá acontecer ainda este ano e os cabo-verdianos serão desta vez os anfitriões.

Em outubro, o vice-primeiro-ministro cabo-verdiano, Olavo Correia, salientou a “grande abertura” do Governo português e disse estar “confiante” num “bom acordo” para o novo PEC, que terá um envelope financeiro superior a 120 milhões de euros.

“Tem havido uma grande abertura da parte do Governo português e estou confiante que conseguiremos um bom acordo”, afirmou na terça-feira à tarde o também ministro das Finanças, em conferência de imprensa para apresentar o Orçamento de Estado para 2022.

“Estamos a negociar bem com Portugal, não só projetos convencionais, mas agora novos projetos, novas parcerias, novas abordagens, à luz também do novo contexto, com o quadro que estamos confrontados hoje”, apontou o governante.

Um semana antes, o secretário de Estado da Cooperação português, Francisco André, disse que o novo PEC com Cabo Verde terá um envelope financeiro superior a 120 milhões de euros, mas o valor final não está ainda definido.

“Por princípio, nunca fazemos programas com montantes inferiores aos que executamos no período anterior, estamos agora a avaliar as taxas de execução, mas o envelope financeiro não será inferior a 120 milhões de euros”, disse o também secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros português.

Recomendadas

TAP transportou quase metade dos 540 mil passageiros de e para Cabo Verde em 2021

Quase metade dos mais de 540 mil passageiros de voos internacionais de e para Cabo Verde em 2021 foram transportadas pela companhia portuguesa TAP, segundo dados da agência reguladora, compilados hoje pela Lusa.

Portos de Cabo Verde com recorde histórico de 180 mil passageiros em agosto

Só a CV Interilhas transportou cerca de um milhão e meio de passageiros em três anos de operações no arquipélago.

Quadrante escolhida pela Vinci para entrar no consórcio que vai desenvolver sete aeroportos em Cabo Verde

Os projetos inserem-se no âmbito do contrato de concessão que o Governo de Cabo Verde assinou com a Vinci Airports /ANA por um período de 40 anos, recorda a empresa em comunicado.
Comentários