Cabo Verde ultima ‘green card’ para investidores em imobiliário

Cabo Verde vai lançar em breve o programa de atribuição de autorizações de residência ‘green card’ para estrangeiros que invistam pelo menos 80.000 euros em imobiliário, adiantou em Londres o administrador do Instituto de Turismo de Cabo Verde. 

Durante a participação na feira internacional World Travel Market (WTM), em Londres, o responsável, Francisco Martins, disse que a lei aprovada em 2018 foi finalmente regulamentada e pretende “atrair investimento a nível de turismo de residência”.

Atualmente, o Reino Unido é o principal mercado emissor neste segmento, adiantou.

Segundo Martins, nas principais cidades, nomeadamente Santiago, São Vicente, Sal e Boavista, o mínimo de investimento será de 120.000 euros em imobiliário para os estrangeiros obterem um visto de residência no país.

Nas ilhas mais pequenas, como Brava, Maio ou São Nicolau, o mínimo de investimento será 80.000 euros.

A página eletrónica do programa já está disponível [https://e-residencia.gov.cv/pt/green-card] mas sem a possibilidade de fazer candidaturas.

O modelo do ‘green card’ de Cabo Verde é o dos ‘vistos gold’ em Portugal, admitiu Francisco Martins, que mostrou conhecer as críticas existentes à experiência portuguesa.

“Nós vamos tirar aquilo que é bom”, garantiu, confiante de que “há ganhos que se podem tirar com este programa” e que Cabo Verde oferece vantagens, como uma “democracia cimentada, um país agradável em termos de clima, sistema de saúde aceitável” e proximidade da Europa.

Outro exemplo que Cabo Verde está a seguir é o dos vistos para “nómadas digitais”, legislando um sistema que existe desde 2020 de vistos temporários e que beneficiou cerca de uma centena de candidatos.

“É um nicho que queremos aprimorar mais”, explicou o responsável, invocando um investimento na economia digital, com a abertura de dois parques tecnológicos, um na Cidade da Praia já no início de 2023, e outro em São Vicente, em data por determinar.

Segundo o administrador do Instituto de Turismo de Cabo Verde, existem “expectativas boas em termos de retoma” do setor do turismo, que representa 25% do Produto Interno Bruto (PIB) e que em 2020 sofreu uma quebra de 75% no número de visitantes devido à pandemia de covid-19.

O Reino Unido é o principal mercado emissor de turistas no país, seguido por Portugal, Alemanha, Países Baixos e França, de acordo com os dados do segundo trimestre de 2022 do Instituto Nacional de Estatística.

O WTM em Londres, que decorre entre hoje e quarta-feira no centro de exposições ExCeL, é uma das maiores feiras internacionais dedicadas ao turismo, atraindo em média mais de 50.000 visitantes anualmente.

Recomendadas

Primeiro-ministro são-tomense pede “unidade e convergência” para reformas do governo

“Renovamos o nosso apelo à unidade e convergência nas ações e reformas estruturantes a serem empreendidas pelo governo. A terra é nossa e a sua recuperação é nossa responsabilidade exclusiva”, afirmou Patrice Trovoada, na apresentação do programa do Governo, na Assembleia Nacional.

Cabo Verde quer museu Cesária Évora desenhado por arquiteto de “renome internacional”

“A Cesária é o nosso maior ícone. Nós continuamos a não ter Cesária no devido lugar em Cabo Verde”, afirmou hoje o ministro Abraão Vicente, considerando como “inevitável” que, nos próximos anos, o Governo cabo-verdiano “financie a construção” de “raiz” do museu dedicado à cantora (1941-2011).

Países africanos de língua portuguesa vão elaborar história da luta de libertação

“Vem para dar sentido àquilo que os combatentes da liberdade da pátria fizeram (…), queremos contar, mas, ao mesmo tempo, perspetivamos, porque a história não termina connosco e não terminou com eles”, disse, na cidade da Praia o presidente da Fundação Amílcar Cabral (FAC), Pedro Pires, que lançou a ideia de criar uma equipa para a elaboração dessa história.
Comentários