Cadáveres pelas ruas e água contaminada: cólera em tempos de guerra em Mariupol

Os russos pensam em impor uma quarentena na cidade ocupada, OMS está preocupada com a situação no terreno.

Corpos mortos e água potável contaminada têm provocado temores de um surto de cólera em Mariupol. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertou sobre o potencial surto.

Em Mariupol, a devastada cidade portuária do sudeste da Ucrânia agora sob ocupação russa, os receios com os bombardeios transformaram-se ​​em medo para com as condições sanitárias deterioradas, segundo a “CNN”.

Na segunda-feira, uma das autoridades locais disse que os russos que controlam Mariupol estavam a considerar impor uma quarentena na cidade onde cadáveres em decomposição e o lixo estão a contaminar a água potável.

“Há conversas sobre quarentena. A cidade está a ser silenciosamente fechada”, disse o conselheiro do presidente de câmara, Petro Andriushchenko.

“A cidade realmente tem cadáveres por toda a parte”, disse Andriushchenko. “Eles estão empilhados. Os ocupantes não conseguem enterrá-los nem mesmo em valas comuns. Não há capacidade suficiente nem para isso”, acrescentou.

Por sua vez, a Organização Mundial da Saúde alertou sobre um potencial surto de cólera em Mariupol e enviou vacinas para Dnipro, embora não esteja claro sobre como elas chegariam aos moradores de Mariupol.

A OMS explica que a cólera é uma infecção que provoca diarreia aguda e está ligada ao acesso inadequado à água potável. A doença mata dezenas de milhares em todo o mundo todos os anos.

A Dra. Dorit Nitzan, diretora de emergências da OMS na Europa, que visitou a Ucrânia no mês passado, disse que a situação higiénica em Mariupol era de um perigo enorme. “Recebemos informações de que a água de esgoto e a água potável estão a mistura-se”, contou Nitzan.

O vice-presidente de Mariupol, Serhiy Orlov, que também não está na cidade, disse na terça-feira que acredita que cerca de 150.000 pessoas permanecem na cidade, numa população que anteriormente tinha mais de 400.000 cidadãos.

Recomendadas

Avalanche em Itália mata pelo menos sete pessoas. Draghi culpa as alterações climáticas

A região tem registado temperaturas excecionalmente altas nos últimos dias. “O calor é incomum”, disse o porta-voz do serviço de resgate, Walter Milan, observando que os termómetros atingiram 10°C no pico da montanha nos últimos dias.

Ucrânia precisa de 750 mil milhões de dólares para plano de recuperação

“Hoje, as perdas diretas de infraestrutura da Ucrânia chegam a mais de cem mil milhões de dólares. Quem vai pagar pelo plano de renovação, que já está a ser avaliado em 750 mil milhões?”, questionou o primeiro-ministro do país, Denys Shmygal.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 4 de julho

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários