Cafôfo diz faltar “ideias mobilizadoras” na liderança política da Madeira

O autarca defendeu que é tempo de virar a página acrescentado que a Madeira precisa de um futuro que não dependa do passado.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, diz que falta “ideias mobilizadoras” na liderança política da Madeira para os desafios da próxima década, durante a inauguração do empreendimento habitacional da Interpatium, na Avenida da Madalena.

“É tempo de virar de página, de promover a cooperação em vez do confronto, a serenidade em vez do frenesim, a responsabilidade em vez da beligerância”, defendeu o autarca.

Cafôfo afirmou que esperava que o Orçamento Regional para 2019 fosse esse virar, algo que não aconteceu.

“É mais do mesmo, e o que a Madeira precisa é de um futuro que não viva do passado. Da minha parte, tenho feito tudo e tudo continuarei a fazer para que assim seja”, reforçou o presidente da Câmara do Funchal.

Na inauguração do empreendimento da Madalena o autarca disse não querer uma Madeira com “a mais alta taxa de analfabetismo do país”, “que um quarto dos nossos jovens abandone a escola”, “nem que 2/3 da nossa população não tenha Ensino Secundário”, “nem continue a ser uma das Regiões do país com maior risco de pobreza”.

Por outro turno Cafôfo disse querer que a Madeira tenha “cidadãos com voz ativa”,” políticas de inclusão”, “uma economia diversificada”, “um modelo de educação que promova gente qualificada”, “uma governação transparente e participada”, “coesão territorial e de um modelo económico que promova a iniciativa privada, sem clientelas”.

 

Recomendadas

Madeira: Dívida da Administração Pública Regional cresce 2,6 milhões de euros no segundo trimestre

Os dados são da Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM), que indicam também que face ao trimestre anterior houve uma redução de 300,7 milhões de euros, ou seja um diminuição de 5,7%.

Presidente da Assembleia da Madeira alerta para necessidade de preservar património edificado

O presidente da Assembleia Regional disse esperar que “a voragem da construção não dê cabo” de obras notáveis e marcantes da arquitetura da Madeira e dos Açores. “Em vez de erguermos parques temáticos a recriar o que temos, era bem mais importante tentar recuperar e conservar o que resta da nossa história”, acrescentou José Manuel Rodrigues.

Câmara do Funchal anuncia lançamento de plataforma para acompanhamento de licenciamentos urbanísticos

O presidente da autarquia quer também “desburocratizar o sistema” e aproximar os arquitetos da “realidade pública”.
Comentários