PremiumCaixa dá tiro de partida na subida dos juros para pequenos aforradores

A subida dos juros já levou o banco público a criar um novo depósito a prazo para poupanças até 5.000 euros, com uma taxa mais elevada. Um movimento que a restante banca admite vir a acompanhar no tempo certo.

Os juros estão a subir, mas isso continua a não se refletir nas taxas dos depósitos, que se mantêm perto de zero. Os grandes bancos têm dado sinais de que a normalização da política monetária por parte do Banco Central Europeu (BCE) acabará, eventualmente, por se traduzir no aumento da remuneração destes produtos de poupança.

Na Caixa, já foi dado o tiro de partida, fazendo mira às pequenas poupanças. O banco liderado por Paulo Macedo criou um depósito a prazo apenas para pequenos aforradores, oferecendo uma taxa de juro mais elevada em comparação com a oferta existente no mercado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários