CaixaBank exclui BCP da lista de ações preferidas por causa da incerteza em Portugal

O CaixaBank/BPI tirou o BCP da lista de ações ibéricas favoritas. Num research, os analistas invocaram as incertezas relacionadas com a pandemia e com os resultados das legislativas. A lista de ações ibéricas favoritas inclui agora as portuguesas EDP, Navigator e Corticeira Amorim.

O presidente do Millennium Bcp, Miguel Maya, durante a apresentação dos resultados do banco durante o ano de 2020, Oeiras, 25 de fevereiro de 2021. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O CaixaBank/BPI tirou o BCP da lista de ações ibéricas favoritas. Num research, os analistas invocaram as incertezas relacionadas com a pandemia e com os resultados das eleições legislativas antecipadas em Portugal (30 de janeiro).

A análise do CaixaBank/BPI – a que o Jornal Económico teve acesso e que é citada pelo daily “Morning Star” da BA&N – retira o banco português da lista de ações favoritas na Península Ibérica tal como retira a farmacêutica espanhola Rovi desta “CoRe list” que passa apenas a incluir três cotadas portuguesas: a EDP, a Corticeira Amorim e a Navigator.

“O BCP negoceia com um desconto considerável face ao setor, especialmente quando ajustado pelo negócio do seu banco polaco, mas as incertezas políticas pendentes desencadeadas pela nova variante da pandemia Ómicron e as eleições legislativas de 30 de janeiro justificam a retirada das ações da nossa lista CoRe”, diz o Caixabank/BPI.

As ações do BCP estão, ainda assim, a subir 0,97% para 0,14 euros.

Já a Rovi “tem um perfil defensivo e triggers de médio prazo interessantes. No entanto, após a rally do preço das ações de 90% no acumulado do ano, a subida dos títulos face aos níveis atuais é mais limitada”, defendem os analistas.

Em troca a casa de investimento adiciona o Bankinter e a Inditex. Segundo os analistas, o Bankinter tem um rácio NPA (Non Performing Assets) e P2R (Pillar 2 Ratio) mais baixo entre os bancos ibéricos e está a negociar abaixo de 1x Price-to-Book Value (rácio que compara o valor de mercado do banco com o seu valor contabilístico). Isto apesar de ter uma perspectiva de rentabilidade (ROE) de dois dígitos.

O Bankinter deve continuar a ganhar quota de mercado com potencial para aumento de lucros (com base nas metas de 2023).

Já a Inditex “é a líder indiscutível no retalho de roupas e as suas vendas recentes têm sido atraentes, mesmo sob as restrições da Covid-19. O seu modelo de negócios deve garantir retornos superiores, especialmente num cenário de graves interrupções no setor”, defendem os analistas.

Os analistas fazem ainda um resumo da evolução da sua lista core de ações ibéricas preferidas.

As ações da espanhol Rovi “foram incluídas na nossa Lista CoRe em 21 de julho de 2020” e tiveram um desempenho de +128,7% (o que comparado com o IBEX traduz uma subida de + 14,1%).

Já o BCP “foi incluído a 23 de setembro de 2021” e teve um desempenho de -4,5% (em linha com a variação do PSI 20).

No que se refere ao desempenho da lista CoRe do CaixaBank/BPI, este ano e até à data, verifica-se uma subida de 21,6% o que traduz uma evolução 13,9% acima do PSI-20 e de 4,7% acima do IBEX 35. Já face ao índice MSCI SC, verifica-se uma subida de 18,6%. Face ao Stoxx Europe Mid 200 superou em +13,4%. Em comparação com o Stoxx 600, verifica-se uma subida de 19,7%.

“Desde o início (maio de 2012), nossa Lista CoRe valorizou + 469%, superando todos os principais benchmarks: PSI 20, + 62%; Ibex 35, + 90%; MSCI SC, + 239%; Stoxx Europe Mid 200, + 185%; Stoxx 600, + 147%”, conclui o CaixaBank/BPI.

Recomendadas

Wall Street com mais um dia para esquecer

A perspectiva de manutenção das taxas de juro em alta pelos próximos (muitos) meses não dá tréguas aos investidores do mercado de capitais, que continuam a assistir ao afundamentos dos principais índices da praça norte-americana.

Bitcoin alcança valor mais alto em uma semana e ultrapassa os 20 mil dólares

A criptomoeda subiu 5% esta terça-feira, acompanhada pela Ethereum, que subiu 4%, num dia de subidas generalizadas entre as criptomoedas.

Bolsa de Lisboa fecha em terreno positivo com Europa no ‘vermelho’

As cotadas da família EDP foram as únicas a terminar o dia em terreno negativo, com a EDP a perder 1,28%, nos 4,55 euros, e a EDP Renováveis a cair 0,92% para os 21,43 euros.
Comentários