CaixaBank põe sede em Madrid à venda por 250 milhões

O dono do BPI contratou a CBRE para vender a sua sede na capital espanhola e quer fechar o processo ainda antes do verão, avança o jornal Expansión.

Albert Gea/Reuters

O CaixaBank quer vender a sua sede em Madrid. O dono do BPI decidiu, por isso, contratar a CBRE para alienar por mais de 200 milhões de euros este imóvel que está situado no número 51 do Paseo de la Castellana, uma das principais avenidas da capital espanhola.

De acordo com o Expansión, a instituição financeira já disse à CBRE para não aceitar ofertas inferiores a 200 milhões de euros, naquele que deverá ser um processo rápido. O CaixaBank quer fechar a venda ainda antes do verão, refere o jornal espanhol.

O edifício tem mais de 18 mil m2, distribuídos por seis pisos e com um parque de estacionamento para mais de 200 viaturas. Fontes do mercado apontam para um valor de mercado entre os 230 milhões e os 250 milhões de euros.

Esta venda acontece depois de o CaixaBank ter concluído a fusão com o Bankia, que deu origem ao maior banco no mercado doméstico espanhol, com 20 milhões de clientes, 623,8 mil milhões de euros em ativos totais e uma capitalização bolsista superior a 20,5 mil milhões.

Esta operação também veio aumentar a carteira de imobiliário do banco. O objetivo é agora racionalizá-la com a venda da sua sede em Madrid, aproveitando a subida de preços em várias capitais.

Este movimento também se está a registar por cá. O Novobanco tem neste momento a sua sede à venda na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Como avança o Jornal Económico esta quarta-feira, a instituição financeira recebeu cerca de 30 propostas não vinculativas pelo edifício, superiores a 100 milhões de euros.

Recomendadas

Deloitte diz que reavaliação pedida por Novobanco aos Fundos de Reestruturação gerou perdas de 313 milhões em 2020

No documento da Deloitte, são reveladas as “perdas em fundos [de reestruturação] de 313 milhões de euros, resultantes essencialmente de um processo de reavaliação por entidade externa promovido pelo Novobanco, que resultou numa desvalorização média de cerca de 47% face ao Net Asset Value apresentado nas contas dos fundos” de reestruturação.

Auditoria da Deloitte deteta desvio de 61 milhões em processo de reavaliação de 23 imóveis do Novobanco

O relatório da terceira auditoria especial ao Novobanco detetou um desvio de 61 milhões de euros no âmbito de um exercício de reavaliação de um conjunto de 23 imóveis.

Auditoria da Deloitte não encontrou “racional” em write-off do Novobanco

No caso de três devedores do Novobanco, foram realizados em 2020 abates parciais de dívida no montante total de cerca de 155 milhões de euros. Deste total, diz a Deloitte, em “77 milhões de euros não foram obtidos os suportes para o valor do abate parcial realizado e 78 milhões de euros o suporte disponibilizado não era suficiente para evidenciar o racional subjacente ao calculo do valor do abate parcial realizado”.
Comentários