CaixaBank reorganiza-se a pensar no BPI

Aquele que foi até agora o diretor-geral de Riscos, Pablo Forero, mantém-se como diretor-geral do CaixaBank e membro do Comité Diretivo, mas vai estar mais perto da estrutura do Banco BPI. Mudanças em curso foram noticiadas pelo jornal económico online Expansión.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O CaixaBank reorganizou a sua cúpula diretiva com mudanças que afetam os departamentos de Riscos, Intervenção e a sua unidade de ativos adjudicados, Building Center, informou o banco presidido por Jordi Gualen em comunicado, reproduzido no jornal económico online Expansión.

O diretor-executivo de Intervenção, Controlo de Gestão e de Capital, Jordi Mondéjar, assume a direção-geral de Riscos do qual passa a depender a filial imobiliária do CaixaBank, Building Center.

O Building Center continuará a ser presidido por Antonio Cayuela e o novo diretor-executivo de Ativos Adjudicados, Jordi Soldevila, incorpora-se como conselheiro-delegado da sociedade.

Além disso, o até agora diretor corporativo de Planificação e Capital, Matthias Bulach, que é incorporado no Comité Diretivo, será o novo diretor-executivo de Intervenção, Controlo de Gestão e Capital.

Por outro lado, María Luisa Martínez Gistau foi nomeada nova diretora executiva e mantém a sua responsabilidade sobre as áreas de Comunicação, Relações Instituições, Marca e RSC.

As mudanças acontecem em plena OPA do CaixaBank sobre o BPI – onde já controla 45,5% do capital – processo que se encontra pendente e a aguardar autorizações prévias.
Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários