CaixaBank sobe preço-alvo da Mota-Engil

A Mota-Engil surge na avaliação do CaixaBank/BPI com uma avaliação no cenário central de 3,20 euros/ação (+19% face à ultima avaliação), representando um potencial de +135% face à cotação de dia 20 de janeiro (sexta-feira).

O CaixaBank emitiu uma nota em que sobe o range do price-target da Mota-Engil de 1,65 euros-4,95 euros para 2,53 euros-5,26 euros por ação.

A  Mota-Engil surge na avaliação do CaixaBank/BPI com uma avaliação no cenário central de 3,20 euros/ação (+19% face à ultima avaliação), representando um potencial de +135% face à cotação de dia 20 de janeiro (sexta-feira).

A análise tem o título de “forte crescimento à frente”. Os analistas do banco não esquecem a mudança de liderança da Mota-Engil. Carlos Mota Santos (anteriormente vice-CEO) será nomeado o novo Chairman e CEO da Mota-Engil. “Pertence à terceira geração da família fundadora (e principal acionista da construtora) e trabalha no grupo há mais de 20 anos com um profundo conhecimento dos seus negócios e atividades”, avança a análise.

“Para a revisão do EV (Entreprise Value) foi relevante a integração da atualização do guidance que a companhia publicou em novembro quando referiu que o crescimento de vendas no conjunto do ano de 2022 será superior a 30% face a 2021, colocando a equipa de research do banco uma avaliação no volume de negócios para 2022 em linha com o anúncio da Mota-Engil e atualizando o EBITDA em +12% no período 2022-2025”, lê-se no research.

“Sendo um intervalo alargado de avaliação perante diversos cenários de risco previstos pela equipa do Caixabank/BPI, mesmo o valor inferior do intervalo (2,53 euros/ação) confere um potencial de valorização de +85% até final de 2023”, destacam os analistas.

O CaixaBank/BPI diz que “o EV [valor do grupo incluindo a dívida] é atualizado em +32% (+0,86 euros/ação) com o forte crescimento que se prevê para a América Latina nos próximos anos depois dos resultados do 1.º semestre e carteira de encomendas angariada ao longo de todo o ano de 2022, com predominância no México, assim como com o crescimento relevante previsto para África, sendo o valor reduzido para +19% na valorização pelo acréscimo do risco-mercado, sobretudo em África, que penaliza o crescimento da avaliação em 13%, colocando assim em valores líquidos o crescimento da avaliação em +0,51 euro/ação face à ultima revisão efetuada pelos analistas”.

Um crescimento da conta de resultados operacionais (topline) em 30% em 2022. O termo top-line aponta para as receitas de uma empresa ou vendas brutas.

Em novembro, a Mota Engil reviu em alta (pela 2ª vez) a perspetiva topline para o exercício de 2022, esperando agora um aumento anual de 30% (ou receitas de pelo menos 3,45 mil milhões de euros) o que compara com uma subida entre +10% e +20% divulgados na altura da apresentação dos resultados do primeiro semestre do ano passado e um “high single digit” na altura da apresentação dos resultados anuais de 2021.

“Isto é um reflexo do momento de entrada muito forte que o grupo está a observar em várias regiões, mas principalmente em África e na América Latina”, lê-se no research.

No primeiro semestre de 2022, a construtora relatou um avanço histórico recorde de 9,23 mil milhões de euros (+22% no acumulado ano até essa data, sendo 51% em África e 33% na América Latina) embora deva, segundo a companhia, ultrapassar os 13 mil milhões de euros em 2022 com os prémios registados no segundo semestre do ano passado.

A Mota-Engil publicará os seus resultados anuais de 2022 no próximo dia 1 de março.

 

 

Recomendadas

PremiumBancos centrais elevam praças acionistas

As reuniões dos principais bancos centrais criaram otimismo nos mercados financeiros esta semana.

Wall Street fecha no ‘vermelho’ depois de conhecidos dados do emprego

Os Estados Unidos da América criaram 517 mil empregos em janeiro bem acima do projetado.

PremiumNovo embargo à Rússia com impacto no preço do gasóleo na bomba

Um quarto do gasóleo consumido na Europa continua a vir da Rússia, mas a partir de 5 de fevereiro entra em vigor novo embargo. Analistas apontam que preços na bomba estão em risco de sofrer aumentos.
Comentários