Caldeira Cabral: “Este Orçamento prevê a retoma do investimento público”

O ministro da Economia referiu que, ao longo deste ano, os indicadores económicos vão ser melhores do que aqueles já previstos no Orçamento do Estado para 2017.

Cristina Bernardo

Esta terça-feira, o ministro da Economia reforçou a ideia de que o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) prevê a “retoma do investimento público” e afirmou que estima que haverá mais “revisões em alta das previsões” elaboradas pelas empresas.

Durante a conferência “OE2017”, promovida pelo Jornal Económico e pela EY, Manuel Caldeira Cabral enfatizou que é o segundo Orçamento deste Governo e “o segundo que reduz a carga fiscal”, nomeadamente, a quem ‘investe, inova e capitaliza”.

“Há sinais de que o investimento privado também irá crescer, devido à procura de fundos comunitários e ao crescimento do investimento das sociedades não financeiras”, explicou o governante, que considerou este orçamento “realista”.

Portugal em Davos

Manuel Caldeira Cabral tinha o discurso preparado para falar exclusivamente do Orçamento, mas optou por iniciar o discurso destacando a presença portuguesa no Fórum Económico Mundial, na Suíça.

“Há um ano, o que havia sobre Portugal era preocupação. Este ano, mudou radicalmente. Fomos a Davos apresentar o menor défice dos últimos anos”, sublinhou, a propósito da imagem do país perante a cimeira de líderes mundias, que aconteceu entre os dias 17 e 20 de janeiro.

O ministro da Economia realçou o receio dos populismos e os efeitos que possam ter. “Foi um encontro interesssante e um pouco diferente do ano passado, com a preocupação geopolítica. O Brexit ou as eleições dos Estados Unidos colocaram em causa premissas que tínhamos como certas”, disse, durante o encontro desta tarde, no Porto.

A seu ver, aquele que era um fórum sobretudo dedicado ao setor financeiro tornou-se essencialmente tecnológico. “Foi interessante ver startups falarem para CEOs e perceber que os investidores globais não estão só a olhar para os bancos com rankings”, confessou Manuel Caldeira Cabral, que acompanhou o primeiro-ministro em Davos.

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários