Câmara da Lourinhã vai apoiar pagamento de rendas para fins habitacionais

A câmara da Lourinhã vai apoiar as famílias no pagamento de rendas para habitação, tendo a assembleia municipal aprovado na noite de sexta-feira um regulamento nesse sentido.

DR

“Pretende-se resolver algumas dificuldades ao nível da habitação, uma vez que a câmara municipal não tem fogos [de habitação social] disponíveis”, explicou o vice-presidente da câmara, José Tomé, com o pelouro da Ação Social.

O município dispõe de 130 fogos de habitação social neste concelho do distrito de Lisboa.

O autarca espera que os apoios possam começar a ser concedidos ainda este ano.

A proposta do regulamento de apoio ao arrendamento urbano para fins habitacionais foi aprovada por unanimidade.

“Face ao contexto generalizado de desequilíbrio da procura e da oferta habitacional existente, fruto do súbito aumento dos valores das rendas, devido ao crescimento turístico do concelho, e a redução das habitações disponíveis para arrendamento, o Município da Lourinhã verificou a necessidade de promover esforços no sentido de harmonizar e atenuar a realidade que hoje é vivida por várias famílias no que respeita ao acesso a habitação”, refere o documento, a que a agência Lusa teve acesso.

A autarquia reconhece que há “famílias que, apesar de não vivenciarem uma situação de carência económica e habitacional extrema, continuam a deparar-se com dificuldades em cumprir o compromisso assumido com um arrendamento habitacional ou até mesmo em conseguir encetar esse processo de autonomização”.

O apoio financeiro a atribuir é de metade do valor da renda, até ao máximo de 250 euros.

Poderão ser apoiadas famílias que reúnam os requisitos e que possuam um valor máximo de renda até 500 euros.

Os apoios, de caráter provisório, são atribuídos durante um ano, podendo ser renováveis por igual período, até três anos.

Recomendadas

PremiumPortugueses dominam em projeto de luxo em Cascais

Sandwoods conta com 39 villas com preços que atingem os 2,8 milhões de euros. Projeto deverá estar concluído em 2024, mas sector da construção civil enfrenta falta de mão-de-obra e demora no fornecimento de material.

PremiumFranceses investem até 45 milhões de euros no Barreiro

‘Ja-Ba’ (Jardim Barreiro) está a cargo da dupla de promotores Maxime Tellier e Renauld de L’Hermite, que está presente em Portugal desde o ano de 2014. “O nosso objetivo é muito claro. Fazer um projeto para os portugueses”, assumem.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.
Comentários