Câmara de Braga pede “clarificação” ao Governo sobre fecho da urgência de obstetrícia e defende PPP

O Sindicato Independente dos Médicos revelou esta sábado que o Hospital de Braga – que serve cerca de 300 mil utentes – vai fechar a urgência de obstetrícia no domingo por falta de médicos para assegurar a escala. Autarquia considera episódio “extremamente preocupante”.

Sérgio Freitas

A Câmara Municipal de Braga pediu este sábado uma “clarificação” ao Ministério da Saúde em relação aos recursos humanos necessários para garantir “o pleno e seguro” funcionamento dos serviços, depois de vir a público que o Hospital de Braga vai amanhã fechar a urgência de obstetrícia por falta de médicos.

A autarquia de Ricardo Rio lembra ainda que este hospital foi recentemente “renacionalizado” e acredita que se a Parceria Público-Privada (PPP) ainda estivesse em vigor haveria outro contexto para garantir os profissionais que são precisos para assegurar as escalas. “Os mecanismos de negociação e as balizas de enquadramento legal porventura a estabelecer entre instituições para resolução deste problema seriam seguramente outras, que a atual administração do Hospital de Braga não tem certamente”, defende, em comunicado enviado à imprensa.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) revelou esta manhã que o Hospital de Braga – que serve cerca de 300 mil utentes – vai fechar a urgência de obstetrícia no domingo por falta de médicos para assegurar a escala. Pouco depois, a unidade hospitalar confirmou à agência Lusa que amanhã, e durante 24 horas, a urgência de obstetrícia vai encerrar “pela impossibilidade completar escalas”.

O serviço de urgência de ginecologia e obstetrícia estará encerrado desde as 08:00 de domingo até às 08:00 de segunda-feira. Ainda assim, o conselho de administração do Hospital de Braga garante que “está a trabalhar” para que “a resposta seja garantida” junto de outros hospitais e para “manter assegurada a prestação de cuidados de saúde de forma regular às grávidas e parturientes da região”.

A Câmara Municipal destaca que o Hospital de Braga abrange, globalmente, uma área de cerca de 1.100.000 de habitantes. “Considera-se, pois, extremamente preocupante o episódio a que se assiste de um anúncio de encerramento, ainda que temporário, como se espera, de um serviço de vital importância para toda a população”, explica a autarquia. “Não podemos deixar de exigir a resolução permanente deste problema, fomentando medidas conducentes à identificação de uma solução através do diálogo entre a Administração do Hospital de Braga, a Ordem dos Médicos e o Ministério da Saúde”, sublinha, na mesma nota.

Segundo o executivo camarário, caso se confirme a insuficiência de recursos humanos, o Ministério da Saúde é responsável por dotar os hospitais em que se verifica esta carência, como o de Braga, dos meios necessários.

Relacionadas

Hospital de Braga vai fechar Urgência de Obstetrícia este domingo

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) anunciou que o Hospital de Braga vai fechar a Urgência de Obstetrícia no domingo por falta de médicos para assegurar a escala. A falta de médicos continua.
Recomendadas

Crescimento da indústria farmacêutica exige reindustrialização e convergência interministerial

O diretor de Acesso ao Mercado e Assuntos Externos da GSK, Guilherme Monteiro Ferreira, alerta que “as notícias não são boas” para o sector e que Portugal está a ficar para trás face aos pares europeus. A reindustrialização é um desafio e a “suborçamentação” um problema, considera.

Filipe Novais: Quem trabalha no sector farmacêutico “tem uma sensação de oportunidade perdida”

O diretor-geral da Astellas Farma considera que o desenvolvimento da indústria ficou aquém do potencial que foi atingido nas últimas décadas por outros países europeus. “A indústria farmacêutica pode ser um motor de inovação para a economia portuguesa”, diz.

“Daqui a 10 ou 20 anos, a saúde será completamente diferente”, diz diretor executivo da Health Cluster Portugal

No campo das agendas estratégicas, acredita que haverá uma grande aposta na inovação, digitalização e industrialização.
Comentários