Câmara de Lisboa apresenta orçamento de 698,5 milhões para 2015

A proposta de orçamento da Câmara de Lisboa para 2015 é de cerca de 698,5 milhões de euros, valor inferior em 29,7 milhões de euros ao que foi aprovado para 2014. “O objetivo centrou-se numa redução do orçamento do município (e da respetiva despesa), sendo que para 2015 o total das receitas e despesas será […]

A proposta de orçamento da Câmara de Lisboa para 2015 é de cerca de 698,5 milhões de euros, valor inferior em 29,7 milhões de euros ao que foi aprovado para 2014.

“O objetivo centrou-se numa redução do orçamento do município (e da respetiva despesa), sendo que para 2015 o total das receitas e despesas será inferior a 700 milhões de euros, o que representa uma redução de 29,7 milhões de euros (-4,1%) face ao orçamento para 2014”, lê-se no documento.

Segundo a proposta do município, de maioria socialista e liderado por António Costa, “esta redução será possível por via da adoção de medidas de política económico-financeira sustentáveis, mas que não ponham em causa o funcionamento e investimento na cidade”.

As despesas com pessoal, por exemplo, serão reduzidas em 19,8 milhões, na sequência da reforma administrativa da cidade, mas, por outro lado, será reposta parte dos cortes dos salários da função pública, pelo que a despesa corrente terá uma redução total de 10,2 milhões.

A aquisição de bens e serviços (como deslocações, telecomunicações e estudos) terá uma diminuição de 9,5 milhões de euros em relação a 2014, enquanto as transferências correntes, devido ao efeito da reorganização administrativa, aumentarão 19,2 milhões.

Já as despesas de capital terão uma redução de 19,5 milhões, destacando-se a diminuição das aquisições de bens de capital, “em função da redução do financiamento alheio e da melhoria na gestão das contingências financeiras”, nomeadamente no que se refere à extinção da Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), que está marcada para o final do ano, e ao fim do processo Bragaparques.

OJE/Lusa

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.