Câmara do Funchal aprova benefícios fiscais à aquisição de habitação para jovens e apoios ao comércio, à natalidade e famílias e ao arrendamento

No arrendamento, o apoio municipal é reforçado em 48%, passando o teto máximo das rendas a serem apoiadas, dos 600 euros para 850 euros.

O executivo da Câmara Municipal do Funchal (CMF), reunido esta quinta-feira, aprovou quatro regulamentos municipais de apoio em diversas áreas a serem submetidos à Assembleia Municipal: o Regulamento Municipal de Atribuição de Benefícios Fiscais à Aquisição de Habitação e à Reabilitação Urbana para jovens, o Regulamento de Apoio ao Comércio Local e à restauração – Iniciativa “ALAVANCAR”, o Regulamento de Apoio à Natalidade e à Família – Medida Excecional e Revisão do Regulamento do Programa de Atribuição de Subsídio Municipal ao Arrendamento.

O presidente da autarquia anunciou a isenção do IMI e do IMT para jovens (até 35 anos de idade e casais até aos 38 anos) na aquisição de uma habitação até o valor patrimonial na ordem dos 200 mil euros, por um período de três anos, e de oito anos para os imóveis que estejam dentro de uma área de reabilitação urbana.

Pedro Calado anunciou também o reforço de 60% no apoio ao comércio, através do programa” ALAVANCAR”, mecanismo com um plafond inicial de 250 mil euros já esgotado, e agora reforçado em 150 mil euros.

No apoio à natalidade há um aumento de 100%. Para as creches e jardins de infância, os beneficiários passam a receber 50 euros por mês.

No arrendamento, o apoio municipal é reforçado em 48%, passando o teto máximo das rendas a serem apoiadas, dos 600 euros para 850 euros.

Dando cumprimento a uma promessa eleitoral, o presidente da autarquia realçou que este apoio que antes só contemplava famílias com carências socioeconómicas é agora alargado a famílias de classe média social, com rendimentos mensais por capita entre 1.5 e 2.0 IAS (1 IAS= 478,70 euros). Será ainda aplicada uma majoração de 25 euros, para os casos de violência doméstica, doenças oncológicas, portadores de deficiência e famílias numerosas.

O presidente da CMF esclareceu ainda que há um protocolo a  celebrar entre a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e o Município do Funchal, a submeter à Assembleia Municipal, que visa ajudar a fazer a cobrança efetiva das receitas em dívida no Município do Funchal. Neste momento a autarquia tem 117 mil processos em execuções fiscais, cujo valor a receber ultrapassa os 6 milhões de euros.

Por fim, Pedro Calado anunciou que as obras da ETAR do Funchal, nomeadamente a segunda fase, de Estação de Tratamento Primário, na zona do Lazareto, vão iniciar-se este mês.

O executivo municipal aprovou o Plano de Segurança da Obra e Plano de Resíduos de Construção, Plano de Estaleiro Base e Programa de Trabalhos Ajustado e Nomeações dos intervenientes na obra por parte do Município.

Outra deliberação: De uma lista de 139 prédios desocupados, 40 foram identificados e considerados como prédios devolutos. Estes imóveis serão sinalizados e se não houver pedido de licenciamento para recuperação do imóvel, será aplicado um agravamento do IMI em 300%.

Recomendadas

Madeira: IHM renova campo de jogos do Bairro da Nazaré num investimento de 65 mil euros

A reabilitação daquele espaço e a introdução de um campo destinado à prática do Madeirabol, deverá constituir mais um polo de atração e recreio para os moradores, mas também para a população em geral.

Saiba que erros evitar na gestão das finanças pessoais

Faça um Plano Financeiro. Defina objetivos a curto, médio e longo prazo, mas que consiga cumprir. Quantifique-os e defina prazos. Calcule pequenas metas a curto prazo para os atingir e mantenha-se focado nesses objetivos, sem ser demasiado ambicioso.

Parlamento da Madeira pede inclusão das regiões autónomas no grupo que vai elaborar o Plano Estratégico da Pequena Pesca

“Para nós é fundamental que as Regiões Autónomas estejam salvaguardadas com uma presença efetiva, por forma a que possamos salvaguardar as especificidades da pequena pesca nas ilhas, que é diferente da que acontece no território continental”, aclarou Nuno Maciel.
Comentários