Campeonato do Mundo. Homem iraniano morto por celebrar derrota da seleção do seu país

Mehran Samak terá usado a buzina do carro em celebrações pela derrota daquele país no Mundial do Qatar antes de ser atingido a tiro, na cabeça. Os protestos contra o governo do Irão duram há mais de dois meses.

Um homem foi morto pelas forças de segurança no Irão enquanto celebrava a derrota da seleção do seu país numa partida a contar para o Campeonato do Mundo de futebol, que se realiza no Qatar. Durante os protestos anti governo, Mehran Samak terá sido atingido a tiro na cabeça durante a noite de terça-feira, de acordo com os relatos de ativistas locais, citados pela estação televisiva britânica “BBC”.

O sucedido teve lugar em Bandar Anzali, na zona norte do país. O homem terá usado a buzina do carro antes de ser atingido de forma mortal.

Nas últimas horas surgiram, nas redes sociais, vídeos em que a população iraniana celebra a derrota da seleção daquele país em jogo contra os EUA, que ditou o afastamento da equipa iraniana do Mundial do Qatar.

De recordar que, na estreia na competição, os jogadores iranianos optaram por não entoar o hino nacional, numa aparente demonstração de descontentamento relativamente à situação vivida naquele país.

Os protestos contra o executivo do Irão duram há mais de dois meses, desde que Mahsa Amini foi declarada morta no dia 16 de setembro, três dias depois de ser presa pela polícia moral de Teerão.

Recomendadas

Processo que envolve direção do Benfica em segredo de justiça

Os advogados do Benfica referiram hoje que o processo em que a SAD e membros do Conselho de Administração do mandato 2016-2020 foram constituídos arguidos está em “segredo de justiça” e que a divulgação “pode constituir ilícito criminal”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

“Falha” nas regras da UEFA permite ao milionário Chelsea cumprir o ‘fair-play’ financeiro

Os ‘blues já gastaram mais de 600 milhões de euros esta época mas os jogadores contratados estão a assinar contratos de longa duração, de forma a que os valores sejam divididos no tempo. E foi assim que o Chelsea contornou as regras do ‘fair-play’ financeiro.
Comentários