Canábis medicinal. Colombianos deixam Portugal e despedem 63 trabalhadores

A companhia vai passar a produzir flor seca da canábis medicinal somente a partir da Colômbia.

Os colombianos da Clever Leaves vão deixar a sua produção em Portugal, deixando um total de 63 trabalhadores no desemprego.

A empresa produtora de canábis medicinal vai terminar a produção por cá até ao final do primeiro trimestre de 2023, anunciando que vai produzir somente na Colômbia, onde prepara-se para começar a exportar flor seca da canábis para os seus clientes, após 18 meses de cultivo.

Esta é a segunda onda de despedimentos no sector do canábis em Portugal no espaço de duas semanas. A 13 de janeiro, a Tilray anunciou o despedimento de 49 dos 200 trabalhadores na sua unidade em Cantanhede, concelho de Coimbra, segundo a “Lusa”.

“A 17 de janeiro de 2023, a administração da Clever Leaves autorizou um plano de reestruturação que foi desenhado para melhorar as margens operacionais e apoiar os objetivos de crescimento, escala e rentabilidade da companhia. Em conjunção com o seu plano de reestruturação e encerramento em Portugal, a empresa anunciou um despedimento coletivo de 63 trabalhadores associados com as operações portuguesas”, disse hoje a companhia em comunicado.

Este fecho implica perdas entre 19 a 21 milhões de dólares (17,5 a 19,3 milhões de euros) no quatro trimestre de 2022: 700 mil a 900 mil dólares destinam-se  a pagar indemnizações e benefícios aos trabalhadores; 12 a 13 milhões de dólares destinam-se a pagar custos com imóveis e equipamentos, incluindo custos de resolução de contratos de propriedade e equipamento; seis a sete milhões de dólares relacionados com a liquidação antecipada de inventários que não serão vendidos.

A empresa espera gerar sete milhões de dólares de poupanças com este encerramento até ao final de 2023, face a 2022.

Em dezembro de 2021, a empresa anunciava que iria aumentar a sua área de produção de dez mil metros quadrados para 24 mil metros quadrados em São Teotónio, concelho de Odemira. Entre os países para o qual exportava encontravam-se o Reino Unido, Austrália, Estados Unidos da América e Israel.

Meses mais tarde, a 22 de fevereiro de 2022, a empresa anunciava uma parceria com a alemã Cansativa para a venda de dois milhões de euros de flor de canábis medicinal.

Cotada em Wall Street, a empresa está hoje a subir 0,4651% para 0,4320 dólares no índice Nasdaq.

 

Relacionadas

Fábrica de Cantanhede de canábis medicinal despede quase meia centena de pessoas

A Tilray, fábrica de produção de canábis medicinal, vai despedir 49 trabalhadores, numa lógica de redimensionamento da empresa, confirmou hoje à agência Lusa fonte da empresa com sede em Cantanhede, no distrito de Coimbra.

Canábis medicinal: um cluster emergente em Portugal?

Portugal está no radar do investimento mundial na cadeia de valor da canábis medicinal, possuindo excelentes condições para se tornar um hub europeu nesta indústria.

Exportações portuguesas de canábis dispararam 600% em 2021

O país vendeu 30 toneladas de canábis em 2021, com Israel e Canadá a liderarem o ranking de destino, revela o “JN”.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Compra da Activision pela Microsoft levanta dúvidas ao regulador britânico

O regulador britânico publicou esta quarta-feira a sua decisão provisória sobre a compra da Activision pela Microsoft, avança a “CNBC”, afirmando que a aquisição pode resultar em preços mais elevados, menos opções e menos inovação.
Comentários