Candidata ao Conselho Nacional anuncia desfiliação da Iniciativa Liberal

Cláudia Nunes, que integrou a lista de Nuno Simões de Melo e apoiou a candidatura de Carla Castro à liderança, diz que seria hipócrita continuar numa “agremiação com nepotismo, caciquismo e mais do mesmo”.

Horas depois do final da Convenção Nacional da Iniciativa Liberal, que elegeu Rui Rocha para a presidência do partido, com 51,7% dos votos, uma das críticas da sua candidatura anunciou que vai deixar o partido, onde integrava a coordenação do núcleo territorial de Sintra, Cláudia Nunes.

Cláudia Nunes, que foi candidata (não eleita) ao Conselho Nacional pela Lista B, encabeçada por Nuno Simões de Melo e conotada com a ala mais conservadora da Iniciativa Liberal, e também apoiante da candidatura de Carla Castro (que obteve 44% dos votos) à sucessão de João Cotrim Figueiredo, justificou a decisão numa mensagem partilhada nas redes sociais, criticando uma “liderança que o conseguiu a qualquer custo”, num partido “que nos próximos dois anos não irá trazer nada daquilo que me fez entrar”.

“Seria hipócrita amanhã levar bandeiras e gritar por ‘liberal’ numa agremiação que perdeu o liberalismo, o respeito. Numa agremiação com nepotismo, caciquismo… mais do mesmo. Isto é o que existe no país”, escreveu Cláudia Nunes no Facebook.

Ao NOVO, Cláudia Nunes confirmou que irá formalizar a sua decisão, acrescentando que “neste ponto só ficaria ali se não me respeitasse”. E que manterá a decisão apesar de ter ouvido apelos para continuar na Iniciativa Liberal. “Recebi várias mensagens de opositores internos a pedir que reconsiderasse. Ficar era não me respeitar e alinhar com tudo aquilo que condeno na prática política a que estamos habituados”, disse.

Relacionadas

Eleições na IL: Moção sectorial que pede mais transparência interna aprovada

Moção que recomenda mais transparência interna no partido, a principal bandeira da candidata Carla Castro nesta disputa eleitoral, é da autoria de Pedro Simões. Liberais ainda aguardam os resultados para saber quem é o sucessor de João Cotrim Figueiredo.

José Cardoso mantém-se na corrida à liderança e diz que “falta maturidade” a Rui Rocha e a Carla Castro

Candidato da terceira via diz que está “está completamente fora de questão” retirar a sua candidatura à liderança da IL e acusa os seus adversários de contribuírem para um partido “à la PSD e à la PS”. “Nunca darei um contributo para montar um partido igual aos outros”

Nuno Simões de Melo contra Iniciativa Liberal “melancia azul, liberal por fora mas bloquista por dentro”

Primeiro candidato da Lista B ao Conselho Nacional agitou liberais com críticas à “ditadura das minorias”, contrapondo a necessidade de o partido se dirigir aos problemas das maiorias e dos 9,9 milhões de portugueses “que não seguem a Iniciativa no Twitter”.
Recomendadas

Bónus ilegal à CEO da TAP. PSD diz que “tem que haver consequências políticas”

“Temos que apurar realmente o que aconteceu e está a acontecer na TAP. Quando falamos na gestão da TAP é preciso perceber onde estava o acionista Estado? Como foi possível atirar 3,2 mil milhões de euros para a TAP?”, questionou-se o deputado social-democrata.

André Ventura reage ao bónus da CEO da TAP: “Parece evidente que é ilegal”

“É mesmo uma questão de legalidade e de invalidade. Se num elemento tão importante como este, a administração e o Estado preferiram não a divulgar, é porque a queriam manter secreta e isto só por si é muito grave”. Líder do Chega reagiu esta sexta-feira à manchete do Jornal Económico que revela que o bónus previsto para a CEO da TAP é ilegal.

“Bónus à CEO da TAP é potencialmente ilegal”, acusa Mariana Mortágua

O Jornal Económico revela, na edição desta sexta-feira, o contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP. O que significa que o contrato será inválido e o pagamento do bónus não será devido.
Comentários