CAP diz que Governo tem de agir para que diminuição do ISP inclua o gasóleo agrícola (com áudio)

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal reclama em comunicado que a descida anunciada de 20 cêntimos no ISP “traduziu-se num incompreensível aumento do preço na fatura a pagar pelos agricultores. Governo tem de agir para que medida anunciada inclua o gasóleo agrícola e para que a redução anunciada seja efetivamente cumprida”.

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal reclama em comunicado que a descida anunciada de 20 cêntimos no ISP “traduziu-se num incompreensível aumento do preço na fatura a pagar pelos agricultores. Governo tem de agir para que medida anunciada inclua o gasóleo agrícola e para que a redução anunciada seja efetivamente cumprida”.

No passado dia 28 de abril foi anunciada pelo Governo “uma nova descida no ISP que permitirá baixar a carga fiscal em 20 cêntimos por litro”, diz a CAP que lembra que “ao dia de hoje, a descida anunciada não só não se verificou, como, desde esta segunda-feira, o preço aumentou em média em cerca de 3 cêntimos no gasóleo agrícola, segundo dados da Direção-Geral de Energia e Geologia”.

“É incompreensível que se assista exatamente ao contrário do que tinha sido assegurado. A uma lógica e expectável redução do preço final por litro, por via da descida de 20 cêntimos no ISP, seguiu-se uma irracional e imprevista subida do custo por litro. Acresce que em momento algum deste anúncio foi referida qualquer diferenciação em função da atividade económica, o que torna o resultado deste anúncio numa surpresa ainda maior”, avanºa a confederação.

A CAP diz que ao Governo, neste momento, “exige-se que garanta duas medidas. Uma que assegure que há uma descida real e efetiva de 20 cêntimos por litro, como anunciado e prometido; outra que implemente um sistema simples que permita um desconto imediato e efetivo no ato de pagamento, fazendo o Estado posteriormente um acerto de contas com os revendedores”.

“No caso do gasóleo agrícola, a situação ainda é mais esdrúxula”, diz a CAP que explica que “não só não se verificou a redução de ISP em 20 cêntimos por litro, como se verificou um aumento de preço, o que é uma manifesta falta de reconhecimento pela atividade que os agricultores desenvolvem”.

“O Governo português continua, assim, a lucrar com a atual situação insustentável de preços nos combustíveis. Continuamos a perder competitividade face a Espanha, que implementou medidas transparentes e descomplicadas para assegurar que todos os espanhóis, em todas as situações, veem reduzida a fatura final a pagar pelo preço do combustível”, conclui a CAP.

Recomendadas

OE2022: Aprovada proposta do PSD que altera regras para contratação de estrangeiros

O Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) suspende a “fixação do contingente global para efeitos de concessão de visto de autorização de residência para exercício de atividade profissional subordinada”.

Portugal dispõe de mais 51 milhões para financiar sector da agricultura em crise

Portugal vai disponibilizar mais 51 milhões de euros de fundos para os agricultores, no âmbito do aumento de custos de produção, depois de Bruxelas ter aprovado a mobilização de verbas do desenvolvimento rural, anunciou esta terça-feira a ministra da Agricultura.

Agendas Mobilizadoras não tinham “verbas específicas” para os Açores

O ex-ministro da Economia Siza Vieira insistiu esta terça-feira que não foram definidas “verbas específicas” para os Açores nas Agendas Mobilizadoras do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e mostrou-se surpreendido com a “celeuma” levantada pelo processo na região.
Comentários