Capacidade de financiamento da economia aumentou para 1,1% do PIB

No 3º trimestre de 2017, o Investimento Bruto da economia portuguesa apresentou uma subida de 0,1 p.p. para 16,2% do PIB e a Poupança Bruta registou um aumento de 0,4 p.p. para 16,5% do PIB, o que levou ao aumento da Capacidade Líquida de Financiamento de Portugal junto do exterior para 1,1% do PIB.

No 3º trimestre de 2017, a capacidade líquida de financiamento da economia portuguesa fixou-se em 1,1% (isto no ano acabado no trimestre para todos os dados) do Produto Interno Bruto (PIB), o que compara com 0,9% no ano acabado no trimestre anterior, diz o INE nas Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional, divulgadas nesta sexta-feira.

Para esta evolução, contribuiu a diminuição da necessidade líquida de financiamento das Administrações Públicas de 1,2 p.p. no ano acabado no 3º trimestre de 2017, relativamente ao ano terminado no trimestre anterior, atingindo 0,1% do PIB.

O PIB e o Rendimento Nacional Bruto (RNB) registaram crescimentos de 1,0%, verificando-se uma ligeira melhoria do saldo dos rendimentos de propriedade.

A capacidade de financiamento das Famílias diminuiu de 1,6% para 0,8%. O sector das Sociedades não Financeiras registou um agravamento da necessidade de financiamento, no ano terminado no 3º trimestre de 2017, de 0,3 p.p. do PIB para 1,8%.

As Sociedades Financeiras (bancos) registaram uma diminuição da capacidade líquida de financiamento de 0,1 p.p., passando de 2,2% do PIB no 2º trimestre de 2017 para 2,1% do PIB no 3º trimestre de 2017, diz o INE.

Tomando como referência valores trimestrais e não o ano acabado no trimestre, o saldo das Administrações Públicas fixou-se em 2,6% do PIB no 3º trimestre de 2017 (-2,1% no trimestre homólogo).

O Rendimento Nacional Bruto fixou-se em 186.357 milhões de euros, registando uma taxa de variação em cadeia de 1%, explica o INE. Esta variação deveu-se à diminuição de 1,0% dos rendimentos primários recebidos com o exterior, enquanto os rendimentos primários pagos apresentaram uma taxa de variação em cadeia de -0,9%.

O Rendimento Disponível Bruto apresentou igualmente uma taxa de variação em cadeia de 1,1%, superior à do PIB em 0,1 p.p., fixando-se em 189.346 milhões de euros.

No 3º trimestre de 2017, o Investimento Bruto da economia portuguesa apresentou uma subida de 0,1 p.p. para 16,2% do PIB e a Poupança Bruta registou um aumento de 0,4 p.p. para 16,5% do PIB, o que levou ao aumento da Capacidade Líquida de Financiamento de Portugal junto do exterior para 1,1% do PIB.

Recomendadas

Crise/Inflação: Casais podem receber 125 euros pelo IBAN do reembolso do IRS

O apoio de 125 euros é individual, mas os casais que entreguem o IRS em conjunto e só tenham o IBAN do reembolso deste imposto confirmado nas Finanças recebem o apoio nessa conta bancária, esclareceu hoje fonte oficial.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.

Premium“Dá-se quase uma medalha a quem consegue fugir aos impostos”, diz presidente da APIT

O presidente da APIT salienta que Portugal está a braços com a economia informal e que são precisas políticas de cidadania na área.
Comentários