Capitais dos Estados: como são escolhidas e o que representam

Alavancada na enorme polémica em torno do reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel por parte dos Estados Unidos, a britânica BBC produziu um ensaio sobre o significado de capital.

Por estes dias, todas as atenções estão viradas em Jerusalém, cidade que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu oficialmente como a capital de Israel, apesar dos avisos para não o fazer vindos de todas as partes do mundo – inclusivamente do interior do seu próprio gabinete.

A cidade – onde convivem com grande dificuldade locais sagrados para judeus, cristãos e muçulmanos – é um lugar único e simbólico, e seu estatuto é uma das questões-chave que dividem Israel e os palestinos, mas também Israel e o mundo Árabe e até mesmo Israel e os católicos.

Jerusalém, recorda a BBC, é a capital declarada de Israel e sede do governo, mas nenhum outro país reconheceu oficialmente essa qualidade. Até agora. “A discórdia sobre a decisão dos Estados Unidos levanta questões sobre o que as capitais representam, e porque elas estão localizadas onde estão”.

Há várias razões, nomeadamente quatro, para a BBC. A primeira tem a ver com o facto dea capital ser um meio de controlo e um símbolo de unidade. “A palavra ‘capital’ é originária do latim capitalis, que significa ‘da cabeça’”, recordam os britânicos. Como a cidade à frente de determinado território, ela está ligada ao Estado e deve ser sede do governo e da realiza, no caso das monarquias.

Por essa razão, diz a BBC, muitos capitais são construídas no centro dos países, para que sejam ao mesmo tempo representativas e acessíveis. Madrid está localizada precisamente no centro da Península Ibérica, enquanto Abuja, que se tornou a capital oficial da Nigéria em 1991, foi construída como uma nova cidade geograficamente central para significar a unidade de uma nação dividida.

Do mesmo modo, o Brasil mudou sua capital do litoral, Rio de Janeiro, para o interior, Brasília, em 1961 – a ideia era construir uma nova capital “para progredir para o interior do Brasil”, como o arquiteto Óscar Niemeyer, que a desenhou, escreveu. Mas o próprio Niemeyer sabia que isso seria um sonho impossível, como mais tarde diria num encontro que manteve com Jean Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

A segunda razão de uma capital é, para a BBC, aquilo a que chama compromisso político. Ao contrário do Washington profundamente dividido de hoje, a fundação da capital dos Estados Unidos em Washington DC em 1790 foi fundamentada no compromisso político. Alexander Hamilton e os estados do norte queriam que o governo federal assumisse as dívidas e assinasse um acordo com Thomas Jefferson e James Madison, que queriam a capital no sul. George Washington escolheu o ponto exato no rio Potomac.

Na Austrália, muita gente fica admirada por Sydney não ser a capital – é Camberra, que terá sido escolhida como uma espécie de terceira via: um compromisso entre Sydney e a sua concorrente ao sul, Melbourne.

Em terceiro lugar, há as complicações da própria história. E a BBC avança com um exemplo: Berlim ou Bona? Essa foi a questão quando o Muro de Berlim caiu em 1989 e a Alemanha reunificou os dois territórios separados, tendo que escolher qual seria a capital – Bona, capital da Alemanha Ocidental, ou Berlim, capital da Alemanha Oriental. No Bundestag, o parlamento unificado, em 20 de junho de 1991, Berlim ganhou com 337 votos, ficando Bona com 320.

A África do Sul tem realmente três capitais: os serviços do governo estão divididos entre Cape Town (legislativo), Pretória (administrativa) e Bloemfontein (judicial), embora o Tribunal Constitucional esteja em Joanesburgo. Tudo isto data da criação da União da África do Sul, em 1910, depois de quatro colónias britânicas terem sido unificadas e não terem conseguido chegar a um acordo sobre a localização do capital. Em 1994, após o fim do apartheid, houve um movimento que pretendia a criação de uma nova capital, que fosse de algum modo o símbolo do renascimento do país – mas isso acabou por nunca acontecer.

Finalmente, diz a BBC, existe ainda o capricho dos homens fortes. Astana – que se tornou a capital do Cazaquistão em 1997 – é “um reluzente parque infantil futurista” que agrega as ambições autoritárias do presidente Nursultan Nazarbayev, no poder desde 1991.

Outro país – Mianmar (antiga Birmânia) – também tem uma capital remota: Nay Pyi Taw, construída em 2005 “como um refúgio isolado para o governo militar paranoico”, num momento em que o país começou sua transição para a democracia. A enorme capital tem todas as infraestruturas – estradas enormes, um jardim zoológico e campos de golfe – mas não tem pessoas.

Em Portugal, as capitais seguiram em primeiro lugar a rota da reconquista – Guimarães, Coimbra e Lisboa – e depois as vicissitudes da sua própria história: Rio de Janeiro e Angra do Heroismo.

Relacionadas

Terceira Intifada: dia 8 de dezembro será “um dia de ira”, avisa Hamas

O anúncio surge um dia depois do presidente norte-americano, Donald Trump, ter reconhecido a cidade de Jerusalém como a capital de Israel.

Jerusalém: Conselho de Segurança da ONU vai reunir de urgência amanhã

O encontro realiza-se depois de os Estados Unidos da América se terem tornado no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Jerusalém: Israel destaca reforços militares na Cisjordânia após anúncio de Trump

O exército israelita anunciou hoje que vai destacar forças suplementares na Cisjordânia, território palestiniano ocupado, após a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

Oficial: Trump reconhece Jerusalém como capital de Israel

A mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, no entanto, não deverá ser feita imediatamente.

Jerusalém: Manifestantes em Gaza queimam fotos de Trump e bandeiras dos EUA

Centenas de pessoas manifestaram-se hoje na Cidade de Gaza contra a anunciada intenção do presidente norte-americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e queimaram fotos de Donald Trump e bandeiras dos Estados Unidos.

Da Europa ao Sudeste Asiático. As reações à decisão de Trump sobre Jerusalém

Os líderes mundiais temem que a decisão possa fazer escalar os níveis de violência, numa cidade que alberga locais sagrados para muçulmanos, judeus e cristãos.
Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários