Capital mais acessível para as PMEs

O Capitalizer vai ajudar pequenas e médias empresas a conseguir, de forma democratizada, acesso ao capital de investidores profissionais. A plataforma online está a operar no mercado ibérico para aumentar a competitividade das PMEs.

O tecido empresarial português é maioritariamente formado por PMEs. O impacto que têm na economia nacional é significativo, representando 45,4% do VAB (valor acrescentado bruto), mas o nível de competitividade no mercado internacional é baixo.

Estas PMEs apresentam uma base de capital menos sólida do que as suas concorrentes a nível europeu, nomeadamente as empresas espanholas, o que condiciona o seu nível de competitividade, numa economia cada vez mais global.

O Banco BiG quis dar a este segmento de mercado a assessoria financeira adequada, pelo que criou uma solução para ligar pequenas e médias empresas a investidores que procuram oportunidades de negócio. Este serviço permite maior rapidez no processo de angariação de capital. São os investidores que analisam de forma concreta os projectos apresentados e o seu potencial de crescimento.

Na plataforma digital Capitalizer há neste momento 15 parceiros, incluindo alguns dos principais operadores de private equitycorporate investorsfamily offices e outros da península ibérica. Além de capital, estes parceiros podem apoiar as empresas em processos de sucessão, alteração e institucionalização da estrutura acionista, desenvolvimento estratégico, reforço de equipa de gestão e implementação de estratégias de crescimento.

Capitalizer engloba ainda ferramentas digitais para apoiar eficazmente as PMEs em todas as etapas do processo de negociação com os investidores. Tudo isto da forma célere, transparente e confidencial a que o BiG já habituou os seus clientes.

As PMEs interessadas em inscrever-se deverão possuir um histórico de atividade relevante, resultado operacional superior a 300 mil euros e resultados líquidos positivos. O acesso ao portal e o registo são gratuitos, até que a PME receba uma manifestação de interesse por parte de um investidor.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com o BiG

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários