“Eu capitalizei a Caixa”, diz Passos Coelho

O líder do PSD garantiu ter sido “o único primeiro-ministro” a pôr dinheiro na Caixa Geral de Depósitos.

Rafael Marchante/Reuters

“Eu, quando fui primeiro-ministro, capitalizei a Caixa. Pusemos lá 900 milhões de euros em híbridos financeiros e 750 milhões de euros de capital”. Pedro Passos Coelho, líder do PSD, garantiu assim ter sido “o único primeiro-ministro” a pôr dinheiro na Caixa Geral de Depósitos (CGD), em declarações proferidas ontem, em Alijó, Vila Real, e citadas pela agência Lusa.

“Este Governo é um verbo-de-encher. Fala, fala, fala que tem uma operação, que está tudo previsto, autorizado, mas passou um ano e ainda não aconteceu nada”, acusou o social-democrata.

O ex-primeiro-ministro reforçou as críticas que até então tem vindo a fazer ao Governo na condução do processo da CGD e voltou a sublinhar a ideia de “falta de respeito democrático”. O líder social-democrático acusou o Executivo liderado por António Costa de “nunca responder” às perguntas colocadas escrita ou verbalmente, mas de pôr “nos jornais aquilo que se recusam a responder ao Parlamento”, referindo-se ao Governo e à administração demissionária do banco público.

 

 

 

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários