Carla Castro: “Não aceitamos que nos digam quem deve ser o presidente”

Deputada e candidata à liderança da Iniciativa Liberal agradeceu aos seus adversários e prometeu a Cotrim Figueiredo que os seus sucessos “nunca serão apagados”, mas depois partiu para o ataque. A sua missão, garante, é “unir dentro e vencer fora, para que um dia todos os portugueses possam dizer de peito feito: sim, eu era liberal e não sabia”.

Carla Castro, candidata a suceder a João Cotrim Figueiredo na liderança da Iniciativa Liberal, protagonizou o discurso mais ovacionado entre os três candidatos no primeiro dia da VII Convenção Nacional, no Centro de Congressos, em Lisboa. No púlpito, a deputada defendeu um partido “sem barões e sem caciques” e um partido com “uma irreverência própria de quem não se acomoda”.

Antes de partir para o ataque mais duro, Carla Castro agradeceu a José Cardoso a “iniciativa” (“espero contar contigo na linha da frente”), a Rui Rocha “pela forma como estamos e vamos estar a enfrentar socialistas na AR”, mas também deixou uma garantia a João Cotrim Figueiredo: “garanto-te, os teus sucessos nunca vão ser apagados da IL.”

Mas a partir de agora, “abre-se um novo ciclo”, afirmou. “Hoje é o primeiro dia do resto das nossas vidas liberais. Precisamos de dar o salto, de amadurecer”, prosseguiu, atirando logo de seguida outra farpa: “Ficou hoje também provado que a transparência funciona e faz falta aos liberais”. A mesma ideia deixou refletida ao afirmar que “a planta precisa de mudar de vaso” e que “para arrumar o país, precisamos de nos arrumar cá dentro”.

Para o partido, Carla Castro quer órgãos com “uma transparência implacável”. “Têm de ser à prova de bala, fortes e independentes”, defendeu. Ganhar o país vem a seguir, continuou, mas “desengane-se quem pensa que a tarefa é fácil”, alertou, pedindo coerência entre aquilo que se pede para o país e aquilo que se pratica no partido: “Sejamos coerentes, (…) também na IL temos de descentralizar. E descentralizar não é passear pelo país, é dar poder de tomada de decisão”, disse, lançando nova farpa a Rui Rocha.

Refletindo sobre os objetivos eleitorais que o partido tem pela frente, Carla Castro quer “atirar-se já” às autárquicas, para depois “ganhar o país”. “Temos de ganhar representação na Europa, temos de começar já o trabalho de consolidação”, continuou, fazendo também referência às metas estabelecidas para as regionais. “Sobre os Açores, Nuno Barata, o teu trabalho orgulha-nos. Sei que trabalharemos e bem, de mãos dadas, para multiplicar a representação”. Na Madeira, prometeu meter mãos à obra já na próxima segunda-feira.

No discurso, em que os seus apoiantes se fizeram ouvir como ainda não tinha acontecido na convenção, Carla Castro disse ainda que se deve perguntar aos candidatos como planeiam uma vitória nas legislativas. “A quem defende a continuidade, deixo o aviso: o Governo está em decomposição. Caminhar já não basta, temos que dar corda aos sapatos”, alertou.

Com críticas à esquerda, e à direita que “simplesmente espera que poder lhes caia aos pés, mas que mais depressa levará com os pés”, Carla Castro rejeitou o populismo, a inércia e o conformismo. “Somos mais do que oposição, somos alternativa, somos um partido de governo (…) E o sucesso não é uma inevitabilidade, é o resultado do trabalho que temos para fazer. Nunca nos esqueçamos, para acrescentar, nunca se pode dividir.”

A terminar, a deputada sublinhou que não quer uma IL com “paus mandados”, defendendo um partido com “liberdade de escolha”. “Um partido onde não aceitamos que nos digam quem deve ser o presidente.” A sua missão, garantiu, é “unir dentro e vencer fora para que um dia todos os portugueses possam dizer de peito feito: sim, eu era liberal e não sabia”.

Relacionadas

Rui Rocha pede Iniciativa Liberal forte e unida: “Depois de amanhã vamos todos juntos virar o país do avesso”

Candidato apoiado por João Cotrim Figueiredo disse que o partido sairá da Convenção Nacional sem fracturas, “seja qual for o resultado”. Mas reafirmou que a sua lista é a melhor para construir algo diferente do “país do PS”.
Recomendadas

Bónus ilegal à CEO da TAP. PSD diz que “tem que haver consequências políticas”

“Temos que apurar realmente o que aconteceu e está a acontecer na TAP. Quando falamos na gestão da TAP é preciso perceber onde estava o acionista Estado? Como foi possível atirar 3,2 mil milhões de euros para a TAP?”, questionou-se o deputado social-democrata.

André Ventura reage ao bónus da CEO da TAP: “Parece evidente que é ilegal”

“É mesmo uma questão de legalidade e de invalidade. Se num elemento tão importante como este, a administração e o Estado preferiram não a divulgar, é porque a queriam manter secreta e isto só por si é muito grave”. Líder do Chega reagiu esta sexta-feira à manchete do Jornal Económico que revela que o bónus previsto para a CEO da TAP é ilegal.

“Bónus à CEO da TAP é potencialmente ilegal”, acusa Mariana Mortágua

O Jornal Económico revela, na edição desta sexta-feira, o contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP. O que significa que o contrato será inválido e o pagamento do bónus não será devido.
Comentários