Carla Castro promete Comissão Executiva da IL de apenas 15 membros e gestão mais participativa (com áudio)

À saída do Conselho Nacional da IL, que ao longo de cerca de 13 horas discutiu e votou o regimento da VII Convenção Nacional do partido, que se vai realizar em Lisboa nos dias 21 e 22 de janeiro do próximo ano, Carla Castro disse que este foi um “dia de enorme felicitação” por ser a primeira vez em que os liberais vão ter “pelo menos duas candidaturas”.

A candidata à liderança da IL Carla Castro mostrou-se hoje “perfeitamente satisfeita” com o calendário eleitoral interno, prometendo uma Comissão Executiva com apenas 15 membros, o menor número possível, e “um modelo de gestão mais participativo”.

À saída do Conselho Nacional da IL, que ao longo de cerca de 13 horas discutiu e votou o regimento da VII Convenção Nacional do partido, que se vai realizar em Lisboa nos dias 21 e 22 de janeiro do próximo ano, Carla Castro disse que este foi um “dia de enorme felicitação” por ser a primeira vez em que os liberais vão ter “pelo menos duas candidaturas”.

Insistindo que foi um “dia de vitórias liberais” porque a concorrência, a pluralidade e a discussão fazem parte dos liberais, Carla Castro considerou que agora será possível “delinear a estratégia de campanha e finalmente dar a conhecer não só as reformas liberais, as ideias liberais, como fazer crescer o liberalismo em Portugal”.

“O calendário deixa-me perfeitamente satisfeita. Tinha dito que estava tranquila com qualquer uma das datas. Tinha dito que não ia propor [qualquer data], como não ia votar no Conselho Nacional e foi o que aconteceu”, assegurou, em declarações à saída do Conselho Nacional da IL, que decorreu em Coimbra.

A candidata considerou ainda que se deve “aproveitar a fase de debate interno para mostrar ao país o valor da IL, dos membros, das ideias” e o motivo pelo qual os liberais fazem “falta a Portugal”.

Carla Castro comprometeu-se com uma Comissão Executiva com a dimensão mínima que permitem os estatutos, ou seja 15 membros – atualmente este órgão tem o número máximo de 25 -, pretendendo também “adotar um modelo de gestão mais participativo, mais descentralizado, colaborativo”.

“O objetivo é ter uma dimensão mais reduzida, mas trabalhar com outras estruturas do partido”, explicou.

Na corrida para a sucessão de João Cotrim Figueiredo nas eleições antecipadas estão, para já, os deputados e dirigentes Carla Castro e Rui Rocha.

Recomendadas

“Trocas de favores”, nepotismo e benefícios na política incomodam mais do que corrupção propriamente dita, revela estudo

O estudo da FFMS conclui que “uma parte significativa dos cidadãos parece aderir à máxima “rouba, mas faz”. Quanto às medidas autorregulatórias implementadas em Portugal, os avanços têm sido provocados por pressão exógena, isto é, em resposta a escândalos ou a advertências de organizações internacionais.

Remodelação no Governo. “É uma salada russa. É tapar buracos”, refere Marques Mendes

No seu habitual espaço de análise o comentador considera que o Executivo só pode queixar-se de si próprio sobre as demissões e polémicas que aconteceram nos oito meses de liderança com maioria absoluta. “Não pode culpar a oposição”, afirmou.

Iniciativa Liberal. Rui Rocha apresenta lista com “representação territorial alargada”

O candidato à liderança da Iniciativa Liberal Rui Rocha apresenta uma lista à comissão executiva com “representação territorial alargada” e novos pelouros, entre os quais os dedicados à política europeia e regional com vista à preparação das próximas eleições.
Comentários