Carlos Carreiras desmente negociações com o CDS para apoiar Cristas

O coordenador autárquico do PSD desmentiu o início de conversações com o CDS para apoiar Assunção Cristas como candidata à Câmara Municipal de Lisboa.

Carlos Carreiras desmentiu, ao DN, a existência de conversações com o CDS para apoiar Assunção Cristas como candidata à Câmara Municipal de Lisboa, e escusou-se a dizer se existe a intenção de encetar essas conversações. Disse ainda que não quer “alimentar especulações que tem um objetivo claro” e que “não é o de favorecer o PSD, bem antes pelo contrário”.

As declarações do coordenador autárquico social-democrata surgem na sequência de uma notícia do Público segundo a qual o PSD está disposto a iniciar conversações com os centristas para apoiar a líder do CDS na corrida à câmara da capital. Segundo a mesma notícia a decisão teria sido tomada por Pedro Passos Coelho, que teria colocado nas mãos de Carreiras essa tentativa de entendimento com o CDS.

A hipótese de coligação com o CDS em Lisboa não foi rejeitada pelo coordenador autárquico na assinatura do acordo geral para as alianças autárquicas, na terça-feira, quando questionado sobre o assunto. Carlos Carreiras falou na necessidade de “procurar convergência” e de “apresentar projetos ganhadores do ponto de vista eleitoral”.

Até então, o coordenador autárquico social-democrata tinha falado sempre em “candidato próprio” à principal câmara do país. Tal como fontes próximas de Passos foram rejeitando a possibilidade do partido vir a apoiar Assunção Cristas. A vir a acontecer a negociação com o CDS e o apoio à líder centrista é mesmo uma reviravolta nas intenções da liderança social-democrata, pouco tempo após Pedro Santana Lopes ter rejeitado a candidatura contra o socialista Fernando Medina ao município de que já foi presidente.

Relacionadas

PSD quer discutir apoio a Assunção Cristas em Lisboa

Passos Coelho pôs o ‘dossier’ nas mãos do coordenador autárquico Carlos Carreiras, que esta semana não afastou um cenário de aliança para a capital.
Recomendadas

JMJ. Rui Rocha contra “obras faraónicas de utilidade duvidosa”

O novo presidente da IL, Rui Rocha, pede “bom senso” na gestão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e lembra que está em causa o dinheiro dos contribuintes, defendendo que “obras faraónicas de utilidade duvidosa” não fazem sentido.

Rui Rocha: Voto na IL é o único garante que PS sai do poder e que Chega não entra

O novo presidente da IL defende que o voto nos liberais é “o único” que “garante que o PS sai do poder e que o Chega não entra” e desafia o PSD a abrir o jogo sobre entendimentos pós-eleitorais.

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.
Comentários