Carlos Correia é o novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, nomeou, por decreto, Carlos Correia como primeiro-ministro do país. O decreto presidencial que anuncia a nomeação salienta que o chefe de Estado guineense cumpriu com as formalidades previstas na Constituição. Carlos Correia de 84 anos deve ser empossado ainda hoje as 16 horas pelo Presidente José Mário Vaz, […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, nomeou, por decreto, Carlos Correia como primeiro-ministro do país.

O decreto presidencial que anuncia a nomeação salienta que o chefe de Estado guineense cumpriu com as formalidades previstas na Constituição.

Carlos Correia de 84 anos deve ser empossado ainda hoje as 16 horas pelo Presidente José Mário Vaz, no palácio da presidência.

É a quarta vez que Correia, um veterano da luta pela independência assume a chefia do governo na Guiné Bissau.

OJE

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.