Carlos Costa: “Banca financia hoje a economia apenas com recursos dos clientes”

Na conferência Fórum Banca 2016, promovida pelo Jornal Económico e pela PwC, o governador do Banco de Portugal afirmou que a economia portuguesa, se “caracteriza pelo alto endividamento dos agentes: particulares, empresas e estado.”

Cristina Bernardo

Carlos Costa considera que as imparidades resultantes de créditos concedidos no passado são o grande problema da banca. O governador do Banco de Portugal afirmou que a economia portuguesa se “caracteriza pelo alto endividamento dos agentes: particulares, empresas e Estado.”

“A banca financia a economia apenas com recursos dos clientes, quando em 2011, 33% era do financiamento era concedido com base em recursos externos. O ponto positivo do processo de ajustamento foi a diminuição da dependência externa”, afirmou Carlos Costa.

Apesar das contingências, os “bancos têm um nível de capital muito superior,  12,1% hoje contra 8,7% em 2011”.

“A banca está sobredimensionada, estava preparada para emprestar 170 mil milhões e hoje empresta 102 mil milhões”, frisou o mesmo responsável.

“O impacto nos resultados que resultam das imparidades, créditos que foram concedidos antes da crise, é um legado que veio do passado. Os bancos absorveram perdas e aumentaram capital”.

As imparidades que existem hoje nos balanços são 21 mil milhões, acresce a este valor “32 mil milhões de créditos que não geram rendimento. As imparidades condicionam muito a rentabilidade”, concluiu.

 

Relacionadas

Carlos Costa: “Endividamento das administrações públicas pode condicionar a trajetória da economia”

O governador do Banco de Portugal fez o discurso de abertura do Fórum Banca 2016 e falou sobre as recentes mudanças estruturais no sistema bancário.

Carlos Costa: “Houve muita bondade na concessão de crédito”

Na conferência “Forum Banca” promovida pelo Jornal Económico e PwC, o governador do Banco de Portugal considera as imparidades resultantes de créditos concedidos no passado como o grande problema da banca.

Carlos Costa: “Bancos não podem voltar a financiar participações sociais”

Financiamento de partes relacionadas com estruturas opacas e em jurisdições exóticas e o financiamento de participações sociais com crédito levou à transformação de depósitos em crédito e deste em capital.

“Um banco é mais importante do que uma sapataria”

Quem o diz é Carlos Costa, governador do Banco de Portugal. Conheça as metas que o supervisor considera essenciais para as instituições bancárias.
Recomendadas

GamaLife compra unidade da Zurich em Itália

A GamaLife concluiu a aquisição de uma unidade de negócio da Zurich em Itália, incluindo uma carteira de apólices em vigor de seguro de vida e de pensões.

Moody’s diz que bancos mais globais vão ter lucros sólidos em 2023

“Os bancos globais estarão protegidos de um aumento da morosidade do crédito em 2023 através do aumento das taxas de juro e de balanços sólidos, e as perspectivas para o sector permanecem estáveis”, disse hoje a Moody’s.

Mais de 1.700 contactos de clientes bancários à rede de apoio RACE até setembro

A Rede de Apoio ao Cliente Bancário (RACE) recebeu, entre janeiro e setembro, 1.783 contactos de devedores com dificuldades em pagar créditos, registando desde julho um aumento dos processos PARI ou PERSI que acompanha, revelou a Direção-Geral do Consumidor.
Comentários