Carlos Costa temeu fuga de informação a 1 de agosto, revela Carlos Tavares

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) disse que o governador do Banco de Portugal (BdP) temeu a 1 de agosto uma fuga de informação referente ao BES, pedindo a suspensão da negociação das ações. “O governador contactou-me às 15h12 dizendo apenas que receava que houvesse uma fuga de informação”, declarou Carlos […]

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) disse que o governador do Banco de Portugal (BdP) temeu a 1 de agosto uma fuga de informação referente ao BES, pedindo a suspensão da negociação das ações.

“O governador contactou-me às 15h12 dizendo apenas que receava que houvesse uma fuga de informação”, declarou Carlos Tavares na comissão de inquérito à gestão do caso BES e Grupo Espírito Santo (GES).

Carlos Costa, governador do BdP, havia dito na sua audição no parlamento, na segunda-feira, que tinha ligado a Carlos Tavares nessa tarde de 01 de agosto, sexta-feira – dois dias antes de conhecida a medida de resolução para o BES -, pedindo a suspensão da negociação das ações do BES.

Nesse dia o banco bateu um novo mínimo histórico, descendo até aos 0,105 euros, uma queda de quase 50%.

A comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES arrancou na segunda-feira e no total serão ouvidas cerca de 130 personalidades ligadas direta e indiretamente ao assunto.

OJE/Lusa

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.