Carlos Moedas quer que jovens até 35 anos não paguem IMT se comprarem casa até 250 mil euros

A medida fez parte da campanha eleitoral de Carlos Moedas, no ano passado. O autarca tem o objetivo de incluí-la no orçamento do município para 2023, mas, para tal, terá que ser aprovada.

Cristina Bernardo

O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas vai apresentar uma proposta que visa que os jovens até 35 anos que comprem casas por um custo máximo de 250 mil euros fiquem isentos de pagar IMT (Imposto Municipal sobre Transmissões), segunda revela esta sexta-feira o semanário “Expresso“.

A medida fez parte da campanha eleitoral de Carlos Moedas, no ano passado. O autarca tem o objetivo de incluí-la no orçamento do município para 2023, mas, para tal, terá que ser aprovada. Com a coligação PSD/CDS, será suficiente uma abstenção do PS, já que os partidos mais à esquerda não são favoráveis à medida.

De acordo com as contas do mesmo jornal, a isenção vai ter um custo no valor de 4,5 milhões de euros. As casas adquiridas por quantias iguais ou inferiores a 250 mil euros são cerca de 45% das compras feitas pelos cidadãos abaixo dos 35 anos, em Lisboa. A poupança média deverá rondar os 3,3% do valor da compra, até um máximo de 3.800 euros.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Mais de 1,1 mil milhões do PT 2020 mobilizados para a inclusão social e combate à pobreza no Norte do país

A Estratégia Europa 2020 assumida por Portugal visava atingir uma taxa de emprego de 75% e a redução de, pelo menos, 200 mil pessoas em situação de risco de pobreza ou exclusão social, metas que foram alcançadas.

Açores vão receber mais 80 milhões do PRR

O Governo dos Açores anunciou hoje que a região vai receber 80 milhões de euros adicionais ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e avançou que 90 milhões daquele plano já se encontram nos “destinatários finais”.
Comentários