Carlos Tavares lidera reforma da supervisão financeira

Ex-presidente da CMVM foi nomeado pelo governo para liderar grupo de trabalho.

O governo criou um grupo de trabalho para a reforma do modelo de supervisão financeira, coordenado por Carlos Tavares, ex-presidente da CMVM, de acordo com o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República.

O decreto assinado por Mário Centeno estabelece o prazo de dois meses para a apresentação pelo grupo de trabalho de um anteprojeto de documento de consulta pública, contendo as linhas fundamentais da reforma proposta e anteprojetos dos diplomas legais que concretizem a mesma.

O grupo coordenado por Carlos Tavares conta ainda com a colaboração de Maria Luísa Andrade de Azevedo Grilo e Pedro Gramaxo de Carvalho Siza Vieira. O executivo estabeleceu a isenção de remuneração dos elementos do grupo pelo exercício das funções.

“Para Portugal, assume especial relevo a evolução do enquadramento legislativo e regulamentar no quadro europeu, onde avulta o projeto de criação da União Bancária que, gradualmente, tem vindo a ser transposto para a legislação nacional, bem como, mais recentemente, da União do Mercado de Capitais”, pode ler-se no documento publicado hoje.

O despacho prevê também a colaboração do Banco de Portugal, da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões caso se revele necessária ao grupo de trabalho.

“O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito ao processo do Banco Espírito Santo recomenda inequivocamente a reavaliação do atual modelo de supervisão financeira e a introdução das mudanças necessárias ao reforço da sua eficácia e da coordenação dos supervisores”, justifica ainda o executivo socialista para a criação do grupo de reforma da supervisão financeira.

 

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários