Carne vermelha. Não há perigo desde que haja moderação

O secretário de Estado da Alimentação avisou que não há qualquer perigo no consumo de carne, embora sublinhe a necessidade de fazer uma alimentação moderada de carnes vermelhas ou processadas. “A grande mensagem é esta: de facto, não há perigo da alimentação sob o ponto de vista da carne, a carne é importante porque nos […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O secretário de Estado da Alimentação avisou que não há qualquer perigo no consumo de carne, embora sublinhe a necessidade de fazer uma alimentação moderada de carnes vermelhas ou processadas.

“A grande mensagem é esta: de facto, não há perigo da alimentação sob o ponto de vista da carne, a carne é importante porque nos traz proteína animal, ferro, zinco e vitamina B12. O que é importante é ter uma moderação de consumo e uma alimentação diversificada”, afirmou Nuno Vieira e Brito.

Esta declaração aos jornalistas foi feita após uma reunião extraordinária, em Lisboa, da Comissão de Segurança Alimentar, que esteve a analisar o estudo divulgado na quarta-feira pela Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro, que revelou que a carne processada é cancerígena para os seres humanos e classificou a carne vermelha como provavelmente cancerígena.

OJE

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.