Carros a Diesel? Atenas, Madrid e Paris dizem “não”

Autarquias de grandes cidades uniram-se pela sustentabilidade e assumiram um compromisso para a proibição do Diesel

A poluição associada à utilização de veículos movidos a combustíveis fósseis é um problema ambiental que tem merecido atenção por parte da comunidade internacional.

Neste sentido, os presidentes das autarquias de Atenas, Cidade do México, Madrid e Paris assumiram um compromisso para interditarem a utilização do Diesel nestas cidades. Acordado no Encontro de Presidentes de Câmara C40, os autarcas comprometeram-se a fomentar a utilização de veículos movidos a combustíveis alternativos, bem como a aposta em infraestruturas para a mobilidade alternativa, sem descurar a sustentabilidade, como vias pedonais e para bicicletas.

Anne Hidalgo, autarca de Paris, tem lutado contra a utilização deste combustível e já tinha mostrado intenções de proibir o Diesel na cidade antes do caso Volkswagen.

De acordo com a autarca, que também é presidente da C40 Cities Climate Leadership Group – grupo de cidades que lutam contra as mudanças climáticas, “os presidentes das câmaras já decretaram que as mudanças climáticas são um dos grandes desafios da atualidade. Hoje, também marcamos uma posição ao dizer que não toleramos mais a poluição do ar, os problemas de saúde e as mortes que causam – particularmente para os cidadãos mais vulneráveis”.

Segundo a presidente da Câmara Madrid, Manuela Carmena, “a qualidade do ar que respiramos nas nossas cidades está diretamente relacionada com a forma como lidamos com as mudanças climáticas. À medida que reduzimos as emissões de gases de estufa das nossas cidades, o nosso ar será mais limpo e as nossas crianças, os nossos avós e os nossos vizinhos serão mais saudáveis”.

Além destas cidades, também as autoridades alemãs declararam a intenção de proibir veículos com motor de combustão interna em 2030.

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.
Comentários