Carros elétricos: IVA em eletricidade vai poder ser deduzido a 100%

De acordo com a alteração ao Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) proposta, “as despesas respeitantes a eletricidade utilizada em viaturas elétricas ou híbridas ‘plug-in’” passam a poder ser deduzidas.

O IVA da despesa com eletricidade para o carregamento de carros elétricos e híbridos vai poder ser deduzido a 100% em 2020, segundo a proposta preliminar do Orçamento do Estado a que a Lusa teve acesso.

De acordo com a alteração ao Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) proposta, “as despesas respeitantes a eletricidade utilizada em viaturas elétricas ou híbridas ‘plug-in’” passam a poder ser deduzidas.

Segundo adiantou fonte do Governo à agência Lusa será possível uma dedução de 100% com o intuito de “apoiar o crescimento da mobilidade elétrica”.

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) foi aprovada no sábado, numa reunião do Conselho de Ministros que durou quase 10 horas, e será hoje entregue pelo executivo minoritário socialista na Assembleia da República (AR). O documento começará a ser debatido em plenário, na generalidade, nos dias 09 e 10 de janeiro, estando a votação final global prevista para 06 de fevereiro.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Confiança em queda nas principais economias europeias agrava risco de recessão

Alemanha, França e Itália reportam quedas maiores do que o esperado na confiança das famílias e sector privado, espelhando a preocupação dos agentes económicos com a subida de preços na zona euro e dando cada vez mais força à possibilidade de uma recessão real no final deste ano e início de 2023.

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.
Comentários