Carvão: 2018 pode marcar início da desvalorização

O valor do carvão valorizou 40% este ano e há mais de dois anos que não para de subir. No entanto, a transição da China para uma sociedade baseada em energias renováveis deverá levar a uma queda dos preços em 2018.

Há dois anos e meio que o preço do carvão não para de subir, mas a tendência poderá ter os dias contados. Segundo uma sondagem realizada pela agência Bloomberg, o preço do carvão benchmark poderá cair 16% no próximo ano, devido à emergência de preocupações ambientais na China, depois de uma valorização de 40% em 2017.

“Esperamos que os preços caiam no final do inverno”, referiu o analista de matérias-primas da Capital Economics, Thomas Pugh. “A oferta está a aumentar e há um grande impulso na China para transitar do carvão para gás e renováveis. A longo prazo, só vai haver uma direção e vai afetar os preços globalmente”.

“É provável que a procura por carvão na China tenha passado o pico”, acrescentou a analista do Commerzbank, Barbara Lambrecht. “Uma transição estrutural da indústria pesada e para uma sociedade mais baseada nos serviços vai abrandar a procura e influenciar as necessidades energéticas do país”.

A China é responsável por quase metade da procura por carvão no mundo, mas a mudança de paradigma poderá levar a uma queda nas importações do combustível fóssil. No entanto, a transição para energias renováveis não tem sido suave no país.

Este mês, as autoridades chinesas viram-se obrigadas a desistir de uma decisão de cortar no uso de carvão devido à temperaturas baixas nalgumas províncias e à escassez de gás natural.

A previsão dos sete analistas consultados pela Bloomberg é que o preço do carvão termine 2018 nos 76,35 dólares por tonelada, em comparação com os 90,50 dólares por tonelada que negociava em Londres na sexta-feira. No entanto, apontam para um valor em março de 86,40 dólares pois, segundo Georgi Slavov, head de pesquisa de energia, metais ferrosos e agricultura da Marex Spectron, acredita que a procura sazonal deverá suportar os preços durante o inverno.

Relacionadas

Roupa da H&M substitui carvão para gerar eletricidade na Suécia

A central de Vasteras terá queimado este ano cerca de 15 toneladas de roupa da H&M que não vai ser usada, com o objetivo de aumentar o recurso a combustíveis renováveis e reciclados.

Fundo soberano da Noruega pode deixar de investir em petróleo e gás

Anúncio foi feito esta quinta-feira pelo ministro das Finanças norueguês e visa diminuir a vulnerabilidade do país às variação dos preços. O setor energético reagiu com quedas nas ações das petrolíferas e no valor do petróleo.

Clima: Portugal compromete-se a encerrar centrais a carvão até 2030

“Em 2030, não existirá produção de eletricidade em Portugal, a partir do carvão”, afirmou o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, à RTP
Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários