Casa Agrícola Alexandre Relvas cresce 30% em 2014

A Casa Agrícola Alexandre Relvas aumentou as vendas em 30% no ano passado, para 6,5 milhões de euros e 3,6 milhões de garrafas, alargando as exportações para seis novos mercados e mantendo o mercado externo como “prioridade estratégica”. Em comunicado, a Casa Agrícola Alexandre Relvas (CAAR) – que reclama estar, atualmente, entre os cinco maiores […]

A Casa Agrícola Alexandre Relvas aumentou as vendas em 30% no ano passado, para 6,5 milhões de euros e 3,6 milhões de garrafas, alargando as exportações para seis novos mercados e mantendo o mercado externo como “prioridade estratégica”.

Em comunicado, a Casa Agrícola Alexandre Relvas (CAAR) – que reclama estar, atualmente, entre os cinco maiores produtores privados de vinho do Alentejo – adianta ter passado em 2014 a exportar para os mercados da Coreia, Japão, Moçambique, Cabo Verde, Namíbia e África do Sul, que se juntaram aos outros 12 países para onde a empresa produtora de vinho regional alentejano já vendia.

Segundo a empresa, as 3,6 milhões de garrafas produzidas no ano passado, responsáveis por um volume de negócios na ordem dos 6,5 milhões de euros, foram canalizadas para cerca de 15 mil pontos de venda.

Para 2015, a CAAR garante que a “prioridade estratégica continua a ser o mercado externo”, que vale atualmente 70% da atividade, propondo-se “manter e consolidar” a presença nos mercados onde já está presente (EUA, Brasil, Bélgica, Áustria, Alemanha, Holanda, Inglaterra, Irlanda, Angola, China, França, Timor, Coreia, Japão, Moçambique, Cabo Verde, Namíbia e África do Sul) e chegar a novos destinos.

OJE/Lusa

Recomendadas

Os benefícios são um fator de competitividade empresarial

Num cenário de escassez de talento, a compensação pode ser decisiva para atrair e reter as pessoas nas empresas. As necessidades e preferências dos colaboradores devem ser tidas em conta. Por Almerinda Romeira e Bianca Marques

Leroy Merlin quer encerrar negócio na Rússia

A empresa quer que a nova administração salvaguarde os empregos dos 45 mil funcionários.

Sumol+Compal sobe salário de entrada para mil euros com retroativos a janeiro

Retribuição de entrada para 2023 inclui salário, com um mínimo de 800 euros, que aumentou 9,5%, subsídio de refeição e prémio de produtividade.