Casa, água, luz e gás: Famílias portuguesas com maior aumento de despesas da UE

Em 2015, um quarto das despesas das famílias da UE é atribuído ao alojamento. Dois mil milhões de euros foram gastos na habitação, água, luz e gás. Famílias portuguesas foram as que registaram maior aumento destas despesas: mais 4,5 pontos percentuais face 2005 para 19%.

No ano passado, as famílias na União Europeia (UE) gastaram cerca de um quarto das suas despesas totais de consumo, na habitação e no fornecimento de água, eletricidade, gás e outros combustíveis. Esta despesa ascende a dois mil milhões de euros, 13,4% do PIB da UE, sendo de longe a principal rubrica de despesas das famílias europeias. Em Portugal registou-se o maior agravamento dos 28 Estados-membros, em 10 anos, com esta despesa a representar quase um quinto das despesas totais, com montantes a ascenderem a 23 milhões de euros

Os dados do gabinete de estatísticas da UE foram hoje avançados pela Comissão Europeia e revelam ainda que as despesas com alojamento foram aquelas que registaram o maior aumento nos últimos dez anos, passando de 22,5% das despesas totais das famílias em 2005 para 24,4% em 2015 (mais 1,9 pontos percentuais). Nesta evolução, Portugal é o país com maior aumento deste tipo de despesas: mais 4,5 pontos percetuais, passando de um peso relativo de 14,3% em 2005, para 18,8%, em 2015.

Grande parte da despesa total de consumo das famílias também foi gasta em transportes (13% das despesas totais), em alimentos e bebidas não alcoólicas (12,3%), em bens e serviços diversos (11,5%), tais como serviços financeiros serviços, seguros e cuidados pessoais, recreação e cultura, restaurantes e hotéis (8,5%), enquanto outros tipos de despesas eram menos importantes como vestuário e calçado 85%), saúde (3,9%), comunicações (2,5%) e educação (1,1%).

Segundo o Eurostat, o peso das despesas domésticas em habitação foi mais elevado na Dinamarca (29,4%), com cerca de 37 milhões de euros, e na Finlândia (28,2%) com 31 milhões de euros de despesas com casa, água, luz e gás; seguida pela França (26,4%), Suécia (26,0%), República Checa (25,9%) e Reino Unido (25,6%). Já o peso mais baixo das despesas em alojamento face ao total de despesas foi registado em Malta (10,1%).

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários