Casa Branca anuncia um milhão de barris de petróleo por dia das suas reservas nos próximos seis meses

A decisão surge no dia em que Putin assinou o decreto obrigando ao pagamento de encomendas energéticas em rublo, uma decisão que a Europa apelida de ‘chantagem’. A Casa Branca quer também obrigar as grandes petrolíferas a “escolher entre começar a produzir ou pagar um preço por cada poço inativo e hectare não utilizado”.

Michael Reynolds/EPA via Lusa

A Casa Branca anunciou esta quinta-feira que irá começar a colocar um milhão de barris por dia (bpd) de petróleo oriundos das suas reservas nos próximos seis meses, de forma a responder à pressão criada no mercado energético pela invasão russa da Ucrânia e subsequentes disrupções e sanções.

O comunicado de Washington começa por referir que “os americanos têm enfrentado preços crescentes nos postos de abastecimento por causa da escalada de preços de Putin”, pelo que a administração Biden anunciou esta quinta-feira um plano de duas fases para combater estes efeitos na maior economia do mundo.

A primeira fase passará por “aumentar imediatamente a oferta ao tentar por todos os meios incentivar a produção doméstica e por uma libertação histórica de reservas estratégicas”, explica a comunicação da presidência norte-americana. Este aumento de produção passará por um incentivo a que as grandes companhias do sector energético utilizem a sua capacidade instalada, passando a pagar taxas por cada poço ou terreno não produtivo.

Estas reservas visam fazer a ponte entre a situação atual e um futuro próximo em que as grandes empresas petrolíferas “terão de escolher entre começar a produzir ou pagar um preço por cada poço inativo e hectare não utilizado”, pode-se ler na nota. Confirmando-se o ritmo de libertação de reservas anunciado esta quinta-feira, o mercado poderá ver mais 180 milhões de barris norte-americanos até setembro.

A estratégia visa combater a relutância demonstrada pelos grandes grupos de energia em aumentar a produção, com a Casa Branca a sublinhar que um diretor executivo do sector reconheceu que, mesmo que o barril chegue aos 200 dólares (180,42 euros), não subiria o output.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que Putin assinou o decreto obrigando ao pagamento de encomendas energéticas em rublo, uma decisão que a Europa apelida de ‘chantagem’. Por sua vez, o Kremlin argumenta que esta é a resposta à utilização pelo Ocidente do sistema financeiro internacional como uma arma.

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários