Casa Branca critica posições climáticas do presidente do Banco Mundial

A Casa Branca criticou hoje as posições climáticas do presidente do Banco Mundial (BM), David Malpass, que recusou reconhecer o papel dos combustíveis fósseis no aquecimento global.

“Não concordamos com as declarações do presidente [do Banco Mundial, David] Malpass. Esperamos que o Banco Mundial seja uma motor internacional em matérias de ambição climática”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

Malpass tem estado debaixo de ‘fogo’ durante esta semana, acusado de ser “cético” em relação às alterações climáticas, após o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, ter afirmado que o presidente do BM era “cético em relação ao clima” por não ter reforçado o financiamento de projetos climáticos em países em desenvolvimento.

Convidado, na terça-feira, a falar sobre essas acusações, durante uma mesa-redonda organizada pelo New York Times, o presidente do BM recusou por três vezes dizer se reconhecia o papel dos combustíveis fósseis no aquecimento global.

“Não sou cientista”, acabou por dizer, pressionado pelo público, preferindo destacar o “enorme esforço” do BM para ajudar a financiar o combate ao aquecimento global.

As respostas de Malpass causaram a indignação de várias organizações não-governamentais especializadas no meio ambiente, que pediram a sua saída, mas a porta-voz da Casa Branca lembrou que isso “exige o acordo da maioria dos acionistas”.

“Não vou renunciar e nunca considerei essa possibilidade”, respondeu hoje Malpass, questionado pelo site Politico, acrescentando que nenhum dos Estados membro da instituição financeira mundial pediu a sua demissão.

Ao mesmo órgão de comunicação, Malpass destacou que “os gases de efeito estufa de origem humana são a causa do aquecimento global”, uma declaração que já tinha feito, na véspera, à CNN, e disse ter-se “confundido” e não ser “sempre bom a responder a perguntas”, justificações que não acalmaram as críticas.

O perfil político de Malpass não é alheio à atenção que recebe em questões climáticas. Republicano e subsecretário do Tesouro, responsável pelas relações económicas internacionais de Donald Trump, foi nomeado em 2019 pelo ex-presidente dos EUA para chefiar o BM após a renúncia do seu compatriota, Jim Yong Kim.

De acordo com o modelo de nomeação predeterminado, os EUA escolhem o presidente do BM, enquanto a Europa decide sobre a gestão do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários