Casas estão avaliadas agora em 1.215 euros por metro quadrado

O valor médio de avaliação bancária subiu mais três euros no mês de novembro, face ao observado no mês anterior. Este valor representa um aumento de 0,2% relativamente a outubro e 6,2% face ao mesmo mês do ano anterior, segundo o INE.

No mês de novembro, o valor médio de avaliação bancária, realizada no âmbito de pedidos de crédito para a aquisição de habitação, registou uma subida para os 1.215 euros por metro quadrado (m2), mais três euros que em outubro, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira.

Em relação aos apartamentos o mês de novembro manteve-se nos 1.277 euros/m2 . Nas moradias, o valor subiu em mais cinco euros, para os 1.115 euros/m2. Em termos regionais, a maior subida na habitação registou-se nos Açores (0,7%), e a descida mais acentuada no Alentejo (-1,5%).

“Em comparação com o período homólogo, o valor médio das avaliações cresceu 6,2% para 71 euros, tendo o valor de apartamentos e de moradias aumentado 7,0% e 4,8%, respetivamente. A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no Algarve (8,8%) e a menor no Região Autónoma da Madeira (1,7%)”, indica o comunicado do organismo de estatística.

Em relação às tipologias, o valor dos T3 subiu um euro, para os 1.094 euros/m2 e o T4 verificou uma subida de 13 euros para os 1.163 euros/m2 . Juntamente estas tipologias representaram 71,5% das avaliações de moradias no mês de novembro.

Apartamentos

O valor mais alto foi verificado na região do Algarve, com 1.589 euros/m2 e o mais baixo no Alentejo, com 1.015 euros/m2. Comparado com o mês de outubro, os Açores apresentaram a maior subida (4,4%) e o Alentejo registou a maior descida (-2,0%). No período homólogo, o Algarve teve o crescimento mais significativo (10,0%) e a Madeira foi a única a descer (1,1%).

Ao nível das tipologias o valor médio da avaliação para T2 foi de 1,286 euros/m2 (menos dois euros do que em outubro). Nos apartamentos T3, registou-se uma subida de dois euros, para os 1.208 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 82,4% das avaliações de apartamentos realizadas no mês de novembro.

Moradias

Os valores mais elevados foram registados na Área Metropolitana de Lisboa, com 1.560 euros/m2 e no Algarve, com 1.533 euros/m2, e o mais baixo no Centro, com 965 euros/m2. Comparado com outubro, a Área Metropolitana de Lisboa teve o maior aumento (1,3%), enquanto a Madeira registou a maior diminuição (3,3%). Em termos homólogos, o maior aumento foi também na Área Metropolitana de Lisboa (12,0%) e o menor na região do Alentejo (2,8%).

Recomendadas

“O fundo de emergência deve ser sempre o primeiro patamar de poupança e devemos começar a constituí-lo o quanto antes”, diz Bárbara Barroso

“O fundo de emergência deve ser sempre o primeiro patamar de poupança e devemos começar a constituí-lo o quanto antes. Depois disso, podemos pensar em passar para outro patamar e começar, por exemplo, a investir as poupanças”, considerou a CEO da MoneyLab na Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor”.

“É importante começar a poupar o mais cedo possível, idealmente em criança”, diz Pedro Lino

Pedro Lino, da Optimize, CEO da Optimize, foi o orador a encerrar a ronda de apresentações com uma exposição sobre a estratégia dos fundos da empresa que dirige. A conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” decorreu hoje, sábado, no Epic Saba Marquês, com o apoio do Jornal Económico.

“Um por cento das empresas ganha tudo o que há para ganhar na bolsa”, diz Francisco Carneiro

O Managing Partner da LFO falou na conferência sobre literacia financeira, poupança e investimento denominada “Poupar e Investir para um Futuro Melhor”, explicando à audiência como selecionar as melhores empresas para investir.  “Não ter concorrência é uma ideia ótima e é disso que andamos à procura”, disse.  
Comentários